BODYACTION MARCA DA RAINHA NUTRACÊUTICOS ESTÁ NO TOP 10 DO MERCADO BRASILEIRO

A Rainha Nutracêuticos que tem um parque industrial de 14 mil metros quadrados em Sumaré, na Região Metropolitana de Campinas, é uma das maiores empresas de nutracêuticos do Brasil através da marca Bodyaction. Com um plano diretor consolidado e pautado na transparência das relações comerciais, respeito aos clientes e consumidores, valorização da equipe, busca constante da qualidade, aprimoramento tecnológico e pesquisa, a empresa conta atualmente com uma linha completa com 230 produtos, como whey protein, barras de cereais, BCAA, pré e pós treinos, entre outros suplementos esportivos. Tem 130 colaboradores entre terceirizados e pessoal próprio contratado em regime de CLT. Atualmente a fábrica utiliza 40% de sua capacidade instalada, ou seja, tem muito ainda para crescer. Em 2016, a empresa faturou R$ 60 milhões e para 2017, a expectativa é fechar em R$ 68  milhões. A empresa investe mensalmente R$ 100 mil em controle de qualidade e cerca de 8% do faturamento mensal em pesquisa e desenvolvimento. Moderna sede da Rainha Nutracêuticos com um parque industrial de 14 mil metros quadrados no município de Sumaré

A marca Bodyaction, além de se destacar pela qualidade de seus produtos, pode se sobressair pelos números impressionantes quanto a sua capacidade produtiva. Durante os 37 anos de atuação, a empresa estruturou-se para ser uma das maiores e mais moderna do ramo. A capacidade produtiva é de mais de 700 bilhões de comprimidos por ano, a de  envase da fábrica é de mais de 3 bilhões SKU’s anuais. A capacidade produtiva anual de envase de pós é de mais de 10 mil toneladas e a colagem de rótulos pode ultrapassar os 6 bilhões por ano.

O diretor da Rainha Nutracêuticos, Alvaro Reis, disse que as perspectivas no segmento de suplementos esportivos são muito boas. “Nós somos ainda 2% a 3% do que o mercado americano é hoje. Eu acho que nós temos ainda mais de 90% de potencial de crescer no Brasil. O problema é o mercado varejista hoje. Nós temos um mercado muito novo no Brasil e o mercado varejista no país está muito inadimplente Eu acho que isso ocorre por falta de gestão no ponto de venda. Eu tenho uma base de 5 mil clientes, mas vendo efetivamente para 1.700 clientes. A empresa tem algumas regras de compliance, que ela não pode vender para quem está negativado e isso acaba prejudicando o laboratório”, explica

A Rainha Nutracêuticos tem crescido em média 23% ao ano, mas em 2017 a estimativa é de um crescimento de 17%. Todos os produtos da empresa passam por um criterioso processo de qualidade, que vai desde inspeções periódicas aos fornecedores diários, controle diário da qualidade da água, matéria prima, qualidade e adequação das instalações e maquinários, testes de palatabilidade durante a produção, retenção de amostras de todos lotes até os testes no produto final. O tíquete médio do mercado é de R$ 5 mil.Fachada - Referência no segmento, a Bodyaction atua há 37 anos buscando a inovação e a qualidade em suplementação alimentar

A empresa familiar teve início em 1970, na cidade de São Carlos, no ramo apícola que exportava matéria prima para o Japão e atendia farmácias de manipulação e herbanários de todo o Brasil com compostos derivados do mel. A Bodyaction passou por algumas transformações com o decorrer dos anos. “Nós fabricávamos suplementos  e fitoterápicos, que eram considerados suplementos e depois viraram medicamentos tarjados, então a gente ficou com uma gama muito pequena de produtos e resolvemos adicionar mais alguns itens. Fizemos uma pesquisa e o que dava mais certo em termos de maquinário e de mercado era a nutrição esportiva que é vendida também em lojas de produtos naturais, herbanários, farmácias de manipulação e farmácias comuns que eram o nosso mercado anterior. Por isso não foi muito difícil migrar”, diz.

O ano de 1980 foi um marco. “Constituímos nosso primeiro laboratório voltado para produção de suplementos vitamínicos, minerais e fitoterápicos com o objetivo de acompanhar o crescimento do mercado naturalista e macrobiótico recém surgido nessa década”, conta.Álvaro Reis

No ano de 2000, chegou às prateleiras brasileiras a primeira linha de nutrição esportiva da Bodyaction, após a construção da moderna sede da Rainha Nutracêuticos em Sumaré.

A Bodyaction utiliza matéria prima 100% importada na qual todo o processo produtivo conta com um complexo controle de qualidade, além da análise da matéria prima. “Para isso contamos com dois laboratórios internos um Físico-Químico e Microbiológico. Ainda contamos com a parceria da Labtec, renomado laboratório credenciado pela rede REBLAS/ANVISA que executa as análises finais do produto final para a emissão de laudo oficial,” explica.

A responsabilidade com os consumidores da Bodyaction vai muito além da qualidade de seus produtos, matérias-primas e tecnologia de produção. A organização se preocupa, ainda, com o meio ambiente e com o bem-estar das futuras gerações. “Desde 2000 mantemos um projeto de reflorestamento e preservação ambiental no município de Aiuruoca, Minas Gerais, onde recuperamos aproximadamente 2 milhões de metros quadrados em áreas degradadas com o plantio de mais de meio milhão de árvores,” diz Reis.

O projeto ecológico vai mais longe com a preservação de mais de 8 km de matas ciliares nativas às margens do Rio Angaí, principal afluente do Rio Grande que abastece a Represa de Camargo, no Sul de Minas Gerais.  Além disso, o projeto favorece, ainda, inúmeras famílias do Sul de Minas com o manejo sustentável do reflorestamento que fornece celulose para as indústrias do Vale da Paraíba, lenha para as caldeirarias de laticínios dos municípios vizinhos como Caxambu, Baependi, Carvalhos, Cruzília, Mindurí e São Lourenço. “Além disso, consorciamos com o reflorestamento a atividade apícola, lembrando sempre de nossas origens, criando mais empregos e fornecendo o mel produzido para o programa de merenda escolar dos municípios do Circuito Mineiro das Águas,” finaliza o diretor.

Fotos 1 e 2 – Fábrica da Rainha Nutracêuticos em Sumaré.

Foto 3 – Diretor da Rainha Nutracêuticos, Alvaro Reis.

Crédito: Divulgação.

 

Veja também

Dane Aimage004

VEÍCULO AÉREO NÃO TRIPULADO: VOCÊ SABE QUEM REGULAMENTA ESSE ASSUNTO NO BRASIL?

ARTIGO DO DIRETOR SUPERINTENDENTE DO INSTITUTO AVANZI, DANE AVANZI Os VANTs, veículos aéreos não tripulados, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *