MÓVEIS DO PARANÁ FAZEM SUCESSO EM NOVELA GLOBAL

A delicadeza e a criatividade das peças trançadas a mão por artesãos, em Campo Magro, na Região MetropolitaBanqueta Florençana de Curitiba (PR), fazem os móveis de a Lovato chamarem a atenção no cenário da novela Pega Pega, da Rede Globo. No luxuoso hotel cenográfico da trama das 19h, Carioca Palace, é possível encontrar diferentes móveis da empresa paranaense.

Na piscina estão as cadeiras e as banquetas da linha Florença, feitas com corda náutica azul, a Mesa Flórida D90 de madeira cumaru e as espreguiçadeiras Itapoá em tela sling. O jardim do Carioca Palace é ambientado com as poltronas Pisa Alta, feitas em fibra sintética. Na casa da policial Antônia (Vanessa Giácomo), o destaque é a poltrona balanço Turim de corda náutica na cor militar.

Todas as peças sãoPoltrona Turim de Balanço feitas para uso tanto em ambientes externos quanto internos. Os móveis da Lovato são produzidos em madeira ou alumínio e trançados por artesãos com fibras sintéticas, tela sling, corda náutica, entre outros materiais resistentes à ação do tempo. O desenho das peças da novela leva assinatura do designer Rodrigo Karam.

A Lovato Móveis é uma empresa paranaense especializada na fabricação de mobiliário de decoração. A fábrica produz móveis com madeira, alumínio, fibra sintética, tela sling e corda, entre outros. Destaca-se pelo uso de matérias primas de alta qualidade e pelo acabamento feito manualmente por artesãos, com trançados que tornam cada peça única. Foi fundada em 2006, na Cidade de Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba, onde conta com estrutura própria de mais de 5 mil m². Comercializa seus produtos em todo território nacional e em alguns países da América Latina.

Foto 1 – Banqueta Florença na novela Pega Pega.

Foto 2 – Poltrona Turim de Balanço na novela Pega Pega

Veja também

Julio Fujikawa - cnpem-447

PARCERIA BUSCA NOVOS FÁRMACOS NA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA

Um programa inédito no Brasil para identificar substâncias bioativas em extratos vegetais da biodiversidade brasileira …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *