O QUE É CERTO E ERRADO NO CUIDADO COM CALOPSITAS

As calopsitas, também conhecidas como calopsitas-australianas, conquistaram o coração dos amantes de animais de estimação ao redor do mundo com suas personalidades encantadoras e companheirismo adorável.

Como uma autoridade respeitada em cuidados com pets não convencionais, a Dra. Morgana Prado, do Hospital Veterinário Taquaral (HVT), de Campinas (SP), compartilha informações valiosas sobre esses queridos amigos emplumados, suas necessidades alimentares, protocolos preventivos, corte de asa, técnicas de manuseio, além da importância da exposição ao sol e rotinas de banho.

Origem e antecedentes

Originárias da Austrália, as calopsitas (Nymphicus hollandicus) se tornaram uma das espécies de pássaros de estimação mais populares em todo o mundo. Conhecidas por sua crista única, cores vibrantes e piados alegres, essas pequenas cacatuas têm cativado entusiastas há décadas. Com os cuidados adequados e atenção, elas podem viver de 15 a 20 anos, oferecendo companhia de longo prazo aos seus proprietários.

Requisitos alimentares

De acordo com a Dra. Morgana, fornecer uma dieta equilibrada e nutritiva é essencial para o bem-estar das calopsitas. Sua alimentação deve consistir em ração de alta qualidade especificamente formulada para calopsitas, complementada com frutas e legumes frescos. Algumas opções adequadas incluem folhas verdes, cenouras, maçãs e brotos. É crucial evitar dar-lhes chocolate, abacate, cafeína, álcool e alimentos ricos em sal ou açúcar, pois esses podem ser tóxicos para elas.

Apesar de haver uma cultura bastante difundida de que a alimentação deve ter sementes de girassol como base, por serem muito gordurosas, sementes de boa qualidade podem ser oferecidas de vez em quando, como petiscos. “Se a comida for predominante em sementes, é preciso, gradativamente, introduzir cada vez mais ração e reduzir as sementes. É preciso paciência, mas vale a pena pelo bem do animal”, diz Morgana.

Exames

Garantir a saúde das calopsitas envolve consultas veterinárias regulares para monitorar seu bem-estar geral e tratar possíveis problemas de saúde. A Dra. Morgana enfatiza a importância de se fazer periodicamente (de 6 meses a 1 ano) exames de sangue, fezes, raio-X e ultrassom como medidas preventivas para proteger esses animais. No Brasil, conforme Morgana, não é usual administrar vacinação em calopsitas. Recorre-se à vermifugação somente quando necessário.

Corte de asa

Para garantir a segurança e evitar fugas acidentais, o corte de asa é uma prática comum em calopsitas. No entanto, a Dra. Morgana aconselha que esse procedimento seja realizado apenas por um veterinário profissional, pois ela precisa continuar voando, se não cai e se machuca. O corte adequado das asas permite que as aves mantenham o equilíbrio, ao mesmo tempo em que limita sua capacidade de voar alto. “Mesmo com a asa cortada ela ainda consegue fugir voando baixo. Por isso, a soltura da ave deve ser assistida pelo tutor”, recomenda.

Manuseio e socialização

A veterinária destaca a importância do manuseio regular e da socialização para estabelecer um vínculo de confiança entre as calopsitas e seus proprietários. Introduções graduais e gentis à interação humana ajudam a torná-las confortáveis com o contato físico, promovendo experiências positivas tanto para a ave quanto para o proprietário. É crucial lembrar que cada ave tem sua própria personalidade, e a paciência é fundamental para construir um relacionamento.

Exposição ao sol

As calopsitas precisam de exposição à luz solar natural ou iluminação UV de espectro completo para manter uma saúde ótima. A Dra. Morgana recomenda fornecer acesso a um ambiente externo seguro e protegido, como um viveiro bem construído ou tempo supervisionado ao ar livre em uma área cercada. A exposição adequada à luz solar contribui para a síntese de vitamina D3, essencial para a absorção de cálcio e saúde óssea geral. “O melhor horário é o mesmo indicado para bebês: até 10h e após às 16h. O ideal é deixar a gaiola parte na sombra, parte sob o sol, pois assim a ave uma área de escape quando sentir calor”, orienta.

Banho

O banho é uma parte essencial dos cuidados com as calopsitas e pode ser realizado por meio de diversos métodos. A veterinária sugere fornecer um pote raso de água, uma banheira específica para calopsitas, encontrada em petshop, ou uma pulverização suave para que elas possam se banhar. O banho regular ajuda a manter a limpeza das penas, removendo poeira e detritos, ao mesmo tempo em que promove uma pele e plumagem saudáveis. “As calopsitas são animais de estimação maravilhosos para indivíduos e famílias. Com cuidados adequados, atenção e orientação veterinária, elas podem prosperar e trazer alegria para nossas vidas por muitos anos. A posse responsável e a compreensão de suas necessidades únicas são fundamentais para garantir seu bem-estar”, finaliza.

 

Foto 1 – Morgana Prado, especializada em pets não convencionais do Hospital Veterinário Taquaral.

Crédito: Milton Félix Silva Filho.

Fotos 2 e 3 – Calopsitas.

Crédito: Divulgação.

 

 

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

COMO O CIDADÃO PODE SE PROTEGER DAS FAKE NEWS NAS ELEIÇÕES

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já disponibiliza aos cidadãos o Sistema de Alerta de Desinformação …

Facebook
Twitter
LinkedIn