60+: POR QUE INVESTIR NOS BABY BOOMERS É UM BOM NEGÓCIO

Quando o assunto é inovação, recrutamento e consumo, grande parte de gestores e empresários voltam seus olhos para a geração Z, que chega aos postos de trabalho de todo o Brasil. Mas apostar apenas em quem está começando a vida profissional na hora de lançar ou fortalecer um negócio não é a melhor estratégia, de acordo com o consultor empresarial Roberto Vilela.

Para o executivo, voltar o olhar aos baby boomers, a geração com mais de 60 anos, pode ser o segredo para quem busca o sucesso nos negócios. “Precisamos entender que os jovens possuem um perfil mais voltado para a experiência de consumo do que para a aquisição em si. Além disso, estão iniciando a trajetória profissional, o que significa que muitos deles ainda têm baixo poder aquisitivo ou dependem de seus pais, que fazem parte do grupo 60+”, destaca.

Olhar estratégico sobre a geração prateada

Roberto Vilela explica que é na terceira idade que o maior capital se concentra. “Com o aumento da expectativa de vida, este público ainda está economicamente ativo, tanto trabalhando quanto investindo. Muitos destes consumidores construíram uma carreira consolidada e possuem uma boa condição financeira para investir. São eles que podem adquirir o seu produto ou serviço e ainda definir por compras que irão impactar suas famílias”, avalia.

De acordo com o IBGE, 63% deste público ainda é ainda provedor do sustento da família e segundo a ONU, há 962 milhões de pessoas com mais de 60 anos no mundo – até 2050 serão mais de 2,1 bilhões. “Por isso é importante pensar em soluções que atinjam estes consumidores. Hoje já vemos muitas startups lançando serviços específicos para essa geração. Mas você não precisa, necessariamente, focar apenas em pessoas com mais de 60. No entanto, estude as necessidades, desafios e preferências destes clientes para poder ampliar seu leque de ofertas e bons negócios”, reforça Roberto.

O consultor salienta que a chamada geração prateada, além de ser economicamente ativa, é um grande público em potencial. “Muitos estudos já revelaram a falta de serviços e produtos voltados para este nicho. É um público que preza por investimentos mais seguros, produtos de alta qualidade e que se dão ao luxo de investir em bens de consumo que exigem maior investimento. Levando estas questões em consideração, a sua empresa pode voltar esforços para ofertas pensadas para este perfil de consumidor e aumentar as vendas em médio e longo prazo”, encerra.

A dica do executivo vem baseada em um dado que pode ser preponderante para qualquer empresa ou gestor apostar no público 60+: de acordo com o IBGE, só no Brasil estes clientes já movimentam cerca de R$ R$ 1,6 trilhão em produtos e serviços anualmente.

Roberto Vilela é especialista nas áreas de gestão e estratégias comerciais. Atua em todo o Brasil com clientes de médio e grande porte, realizando palestras, consultoria comercial e treinamentos vivenciais. É autor dos livros Em Busca do Ritmo Perfeito, em que traça um paralelo entre as lições do universo das corridas para a rotina de trabalho, e Caçador de Negócios, com dicas para performances de excelência profissional. Produz ainda séries de podcasts sobre estes assuntos, disponíveis nas plataformas Spotify e Itunes. E-books, artigos, áudios e vídeos disponíveis em www.orobertovilela.com.br.

 

Foto: Consultor Roberto Vilela.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

DIA MUNDIAL DAS DOENÇAS RARAS É MARCADO POR ATIVIDADES EM TODO O PAÍS

O mês de fevereiro marca o Dia Mundial das Doenças Raras (29/02), e este ano …

Facebook
Twitter
LinkedIn