CRIANÇAS NÃO SÃO INCLUÍDAS NO PLANO DE VACINAÇÃO CONTRA COVID-19

O Ministério da Saúde divulgou informações sobre as crianças não terem sido incluídas num primeiro plano de vacinação contra a Covid-19. O motivo principal é devido a falta de estudos da imunização para essa faixa etária, além de não fazerem parte do grupo de risco. As crianças representam apenas 8,5% dos casos de Covid-19 no mundo todo. “Não foi realizado nenhum estudo clínico no mundo que comprove a segurança e eficácia da imunização na faixa etária pediátrica”, diz Ronaldo Macedo, coordenador do Ambulatório de Doenças Pulmonares Difusas/Intersticiais do HC da Unicamp. “As crianças não fazem parte do grupo de risco e, raramente, desenvolvem sintomas mais graves da doença”, completa.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização das Nações Unidas para a Educação (Unesco) já solicitaram a priorização pela abertura das escolas. Visando o retorno das aulas, a falta de vacina para crianças não seria um problema. Segundo as instituições, não há nenhum dado que comprove que essa flexibilização aumente o número de casos.

O retorno das aulas presenciais na rede municipal de ensino de Campinas, que antes estava previsto para início em 8 de fevereiro e foi adiado devido a reclassificação da região para a fase laranja, será agora no dia 1º de março. A capacidade de ocupação será de 50% por sala de aula, a permanência será de apenas três horas diárias e serão entregues kits de máscaras para os alunos.

Visando o retorno das aulas, a falta de vacina para crianças não seria um problema. Segundo as instituições, não há nenhum dado que comprove que essa flexibilização aumente o número de casos.

Porém, há uma forte preocupação com as pessoas que têm contato com os pequeninos. “É de extrema importância proteger com a vacina quem tem convívio direto com crianças, seja pai, mãe, avós ou outro parente mais velho, respeitando a ordem do plano de vacinação. A reabertura deve ser feita respeitando as medidas adequadas de proteção: redução do número de crianças por sala de aula, janelas abertas, uso obrigatório de máscara, cuidado com a higiene e distanciamento social.

Ronaldo Macedo é pneumologista formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, tendo participado como Observer Fellow no Serviço de Transplante Pulmonar no Toronto General Hospital, no Canadá. Trabalha há quase 10 anos no Hospital de Clínicas da Unicamp, onde é coordenador do Ambulatório de Doenças Pulmonares Difusas /Intersticiais (ambulatório de referência na Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), e no Hospital Vera Cruz / Campinas. É também professor da disciplina de Emergências Respiratórias na pós-graduação de Medicina de Emergência do Instituto Terzius.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

BENNER EXPANDE SUAS SOLUÇÕES PARA O MERCADO JURÍDICO COM SERVIÇOS INTEGRADOS

Com o objetivo de contribuir para a eficiência jurídica das organizações, a Benner, companhia brasileira …

Facebook
Twitter
LinkedIn