CRIATIVIDADE E DETERMINAÇÃO NO EMPREENDEDORISMO FEMININO

A crise ocasionada pela pandemia da Covid-19 fez com que muitas pessoas se reinventassem da noite para o dia. Mas, antes disso, o país já enfrentava uma crise econômica e política, que fez com que várias pessoas buscassem ainda mais alcançar o sonho de ter seus próprios negócios.

Após alguns anos à frente de estabelecimentos na área de alimentos e bebidas e com experiências na área corporativa, a paulistana Daniela Petroni resolveu colocar em prática sua vontade de empreender no universo de quebra-cabeças em 2016, para atender uma vontade pessoal. “A Puzzle Me surgiu de uma dor pessoal minha, de não encontrar quebra-cabeças com imagens que me agradassem. Não existe nada mais prazeroso do que trabalhar com o que você tem paixão em pesquisar”, diz a empresária.

Se para muitos o lema é “trabalhe com o que você ama e sentirá que não está trabalhando”, para a empreendedora formada em Hotelaria, isso funciona de uma forma diferente. Para ela, é extremamente necessário pesquisar, fazer um plano de negócios e buscar fornecedores aliando a paixão ao conhecimento. “Só um sonho não faz ser um bom negócio! Conhecimento com planejamento é muito importante”, ressalta Dani.

A Puzzle Me nasceu com o objetivo de oferecer produtos para entreter e criar uma pausa na vida de quem monta quebra-cabeças. “Estamos cada vez mais conectados e nos desconectando de nós mesmos. Criar uma pausa, resgatar experiências sensoriais, resgatar o tato real e não o virtual e usar os dois hemisférios do cérebro são algumas das sensações que queremos oferecer com os nossos quebra-cabeças”, explica.

Atuando em formato de e-commerce, no fim de 2020, a Puzzle Me lançou o Projeto Mulheres, que transforma em quebra-cabeças obras de arte criadas por mulheres. A coleção tem o intuito de arrecadar fundos para instituições que apoiam mulheres em situação de vulnerabilidade. A cada produto vendido, 5% é destinado para as instituições IRME e Fala Mulher “Uma coleção feita por mulheres em uma empresa liderada por mulheres. Procurei por mulheres com artes de imagens que nutram os olhos e a alma e que transmitem toda a força, garra e delicadeza que temos dentro de nós. E que time que estamos formando”, pontua Dani.

A empresa já tinha o projeto “Pecinhas do Bem”, que doava parte da renda para instituições. Durante a pandemia, ela ressignificou essa ação: “Se cada um fizer um pouquinho para ajudar, podemos construir um mundo melhor! E foi como montar um quebra-cabeça, comecei a buscar imagens que ficassem interessantes no produto e vi que as que mais faziam sentido eram de artistas mulheres.  Dessa forma, seria coerente fazer as doações a causas de empoderamento feminino”, conta a empreendedora.

Para quem está pensando em começar a ter o seu próprio negócio, Dani deixa um recado: “É possível fazer o que se ama, com estudo e conhecimento, e ainda ajudar com causas sociais”, finaliza.

 

Foto: Empreendedora Daniela Petroni.

Crédito: Divulgação.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

TOLEDO DO BRASIL DESENVOLVE BALANÇA PARA O PEQUENO COMÉRCIO

Para atender a demanda de rotisseries, açougues, sorveterias, hortifrutis, mercearias e minimercados, que normalmente não …

Facebook
Twitter
LinkedIn