ESPECIALISTA APONTA QUE PERDA DE OLFATO E DE PALADAR NO COVID-19 SÃO DIFERENTES EM RELAÇÃO AS GRIPES COMUNS

Com o aumento dos casos do novo coronavírus, um dos desafios da pandemia é identificar as pessoas contaminadas pela doença.  Em meados de março de 2020, o primeiro sintoma do vírus era febre alta. Na sequencia, falta de ar, cansaço e tosse seca. Agora, a perda de olfato e de paladar são alguns dos sintomas mais comuns e que tem ajudado no diagnóstico inicial de pessoas infectadas pelo Covid-19. “Essa perda súbita no olfato e de paladar tem acometido cerca de 2/3 de pacientes com Covid-19 e sabe que isso acontece por conta de um tropismo que esse vírus vai ter por células sensoriais que atingem as células nervosas do olfato, causando essa perda súbita”, explica a foniatra e otorrinolaringologista Juliana Cardoso Bertoncello.

Uma curiosidade é que esses sintomas também ocorrem em outros tipos de gripes e resfriados, assim como doenças nasais, como sinusites e rinites crônicas, alterando a percepção de cheiro, porém de forma mais rápida e reversível.“O que diferencia, é que no Covid-19, essa perda pode demorar um pouco mais a ser recuperada e com prazo muito variado de três a seis meses”, destaca Juliana. Outro ponto importante é considerar a perda do olfato e paladar um sintoma importante do novo coronavírus. “Mesmo com teste negativo, quem tiver esses sintomas, tem que se considerar infectado ou começar a fazer um isolamento. Isso também reduziria bastante o número de transmissão”, alerta a médica.

Terapia de estimulação de olfato

A perda do olfato e de paladar pode persistir mesmo depois da cura da doença, mas tem tratamentos. De acordo com Juliana, existem algumas medicações, como corticosteroide, ácido alfa-lipóico, mas ainda não há nada com 100% de comprovação. “O que se tem preconizado é a estimulação olfativa, onde trabalhamos os diferentes tipos de cheiros, estimulando não só o olfato em si, mas as áreas olfativas cerebrais para que elas também ativem as memórias olfativas e isso também faça com que esse olfato retorne o mais rápido”, explica a otorrino.

A médica otorrinolaringologista Juliana Bertoncello sugere estímulos olfativos com frascos com substâncias diferentes como café, vinagre, limão e lavanda (essências). “Recomendo inalar cerca de 20 segundos cada, duas vezes por dia, até o retorno do olfato”, diz a médica.

 

Foto: Foniatra e otorrinolaringologista Juliana Cardoso Bertoncello.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PILZ DO BRASIL LANÇA O PORTAL NR-12 – SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Referência em sistemas de automação e em soluções de segurança para máquinas, a multinacional alemã, …

Facebook
Twitter
LinkedIn