FÓRUM IBEF CAMPINAS DEBATE FUTURO POLITICO E ECONÔMICO COM AS ELEIÇÕES

Cerca de 120 executivos de finanças de empresas da Região Metropolitana de Campinas (RMC) participaram ontem de uma mesa redonda em Campinas promovida pelo InsIBEF06tituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF) seccional Campinas em parceira com a PwC Brasil com o tema “Brasil 2019! Como chegaremos? Estamos no caminho certo?”.

O futuro político-econômico do País foi avaliado pelo economista e cientista político Marcos Troyjo, professor da Universidade Columbia, em Nova York, e pelo doutor em Sociologia, professor e pesquisador do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Rodrigo Augusto Prando.

A mesa redonda do fórum foi mediada por Augusto Assunção, presidente do Conselho Consultivo do IBEF Campinas e sócio da PwC Brasil. “O evento foi9 importante para os executivos de nossa região avaliarem os possíveis cenários políticos e econômicos como resultado das eleições que se aproximam e auxiliá-los na tomada de decisões estratégicas na condução de seus negócios”, disse.

Marcos Troyjo disse que o BIBEF05rasil já teve inúmeras oportunidades para desenvolver sua economia e obter papel de destaque no comércio internacional, mas desperdiçou a maioria delas. “Os países realmente decolam, mudam de andar e conseguem uma ascensão importante quando eles casam oportunidades externas com estratégias internas. O Brasil geralmente quando há uma boa conjuntura internacional, nós adotamos políticas muito ruins. O que eu troço é ara que nesse novo ciclo que começa no dia primeiro de janeiro de 2019, a gente consiga fazer uma leitura inteligente dessas oportunidades internacionais com aquilo que temos que fazer internamente”, analisou.

Rodrigo Prando, disse que o candidato a presidência da república tem que ter a capacidade de verbalizar para a sociedade e mostrar a profundidade da crise enfrentada no país e apontar quais são as alternativas para resolver e enfrentar essa crise. ” O candidato que conseguir fazer isso a apresentar de maneira clara com os dados que se tem à disposição, sem dúvida que as pessoas vão raciocinar bem mais na escolha de seu candidato e assim sendo poderão efetivamente escolher aquele que melhor represente as alternativas de superação da crise e da geração de emprego”, comentou.IBEF01

Rodrigo Prando defendeu ainda que é necessário que o Brasil melhore o seu índice de competitividade e de liberdade econômica ou o país vai continuar nas últimas colocações em termos de liberdade econômica e o Brasil é o 2º país com maior complexidade de impostos e taxas. ‘Que incentivos tem hoje o empreendedor para começar o seu negócio? é demorado, é caro, o desenvolvimento é difícil e a taxa de mortalidade das empresas no Brasil é muito alta, ou seja, há que se estabelecer um diálogo entre a política, a economia e a geração de emprego e aquilo que trás felicidade  no limite ao pai de família e a uma mãe que precisa colocar comida em casa e pensar no crescimento e na qualidade de vida da sua família”, declarou.

O presidente do IBEF Campinas, Marcos Ebert, avaliou que o fórum foi importante a alguns dias das eleições, em um ambiente de incertezas político-econômicas, com um espaço de discussão onde os palestrantes puderam  compartilhar esse conhecimento com o público. “Ao promover esse debate, contribuímos com a construção de alternativas para os problemas que enfrentamos”, disse.

Foto 1 – Rodrigo Augusto Prando, Augusto Assunção e Marcos Troyjo.

Foto 2 – Palestra de Rodrigo Prando.

Foto 3 – Palestra de Marcos Troyjo.

Crédito: Divulgação.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

2021: OS IMPACTOS DA PANDEMIA PARA A EDUCAÇÃO

ARTIGO DE ISMAEL ROCHA Imagine que você está vendo um filme e pausa em determinando …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn