INDÚSTRIA DA REGIÃO DE CAMPINAS DEMITE 1,3 MIL PESSOAS EM JUNHO

O momento de forte retração na economia brasileira e o custo Brasil muito alto atrelada a baixa competitividade do empresário brasileiro são fatores que podem justificar o saldo negativo de demissões na indústria da região de Campinas. O primeiro semestre de 2019 teve saldo de 2,7 mil demissões, o pior dos últimos dez anos, de acordo com a série histórica iniciada em 2003. No mês de junho   foram fechados 1,3 mil postos de trabalho. Esses números fazem parte das Pesquisas Nível de Emprego, Sondagem Industrial e Balança Comercial Regional, divulgadas pela Regional Campinas do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).

Para o diretor em exercício do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa, esses números negativos registrados no nível de emprego da indústria regional, refletem um momento ainda de expectativa em relação ao ritmo de andamento das reformas. Segundo Toledo Corrêa, houve uma expectativa muito grande com relação a eleição do Presidente Jair Bolsonaro de que haveria uma mudança de forma imediata, no entanto, essas mudanças não ocorrem desta forma e como permaneceu a retração econômica e o faturamento das vendas não aumentou houve a necessidade das empresas reduzirem seus custos e isso se reflete em demissões. “Agora com a reforma previdenciária passando na Câmara e a expectativa de que passe pelo Senado, nós teremos provavelmente já para o segundo semestre a retomada dos investimentos e a geração de novos empregos”, avalia.

O diretor em exercício do Ciesp Campinas, José Henrique Toledo Corrêa, também acredita que devem ocorrer mais contratações nos meses de julho e agosto. “Agora em julho e agosto começam as contratações para o final do ano. Tem setores que contatam naturalmente como o setor de brinquedos e produtos natalinos e isso gera toda uma cadeia produtiva. Nós esperamos também quer algumas medidas que o Governo Federal vai tomar vai melhorar e pode trazer novos postos de trabalho porque vão atingir cadeias produtivas que tem grande representatividade na nossa região”, diz.

José Henrique disse ainda que o maior número de demissões foi registrado nas pequenas e médias empresas em decorrência da queda de faturamento.

 

Foto: Diretor em exercício do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa.

Crédito: Roncon & Graça Comunicações.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

HÁ 32 ANOS, ROGÉRIO MENEZES É REFERÊNCIA NO SEGMENTO DE LEILÕES NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Rogério Menezes Nunes, nomeado Leiloeiro Oficial pela Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro  …

Facebook
Twitter
LinkedIn