INDÚSTRIAS DA REGIÃO DE CAMPINAS TEM PERSPECTIVA POSITIVA DE NEGÓCIOS EM 2022

Pesquisa de Sondagem Industrial elaborada pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), regional Campinas, apontou as expectativas dos empresários associados para o próximo ano.  Em relação ao desempenho da empresa em 2022, quando comparado com 2021, a visão dos empresários é de uma melhora nos índices. Para 60% dos respondentes será ‘melhor’, 8% ‘muito melhor’ e 32% afirmaram ‘igual’. Nenhuma das indústrias assinalou na pesquisa que 2022 será ‘pior’ que o ano anterior.

O Ciesp-Campinas também perguntou às associadas a expectativa em relação ao desempenho da Economia Brasileira em 2022, quando comparado com o ano anterior: 64% delas apontaram ‘melhor’, 4% – ‘muito melhor’, 20% – ‘igual’ e 12% – ‘pior’.

O vice-diretor do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa, afirmou que o desempenho das indústrias associadas mostrou que 2021 foi um ano de crescimento e curva ascendente. “O ano, apesar de todos os percalços, foi bom. Em outubro, em razão dos preços dos combustíveis, logística, possibilidade de crise hídrica e a questão da inflação, registramos uma pequena queda na atividade industrial, porém a nossa Sondagem Industrial mostra que para 2022, os empresários continuam otimistas, em relação à sua empresa e com o Brasil”, acrescentou.

Na análise dos dados da Sondagem Industrial o vice-diretor do Ciesp-Campinas mencionou que o volume de produção diminuiu em novembro em relação ao mês anterior para 20% das empresas que responderam à pesquisa. Para 44% delas permaneceu estável e para 36% aumentou. O faturamento também diminuiu para 36% das associadas, o que na avaliação de Toledo Corrêa confirma a retração apontada pela entidade a partir de outubro. Um dado positivo apontado por ele, é que o número de funcionários em novembro permaneceu estável para 80% das associadas, em relação ao mês anterior.

Custos de matérias-primas e componentes continuam pressionado as empresas e aumentaram para 76% das respondentes em novembro. Custos de energia, água e transporte também aumentaram para 80% das empresas associadas.

Nível de Emprego

O Ciesp-Campinas também apresentou Pesquisa Fiesp-Ciesp com dados do Caged – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, focando o nível de emprego da indústria em outubro, nas cidades que compõem a Regional. No mês de outubro, o saldo em número absoluto foi positivo com 502 empregos. No acumulado do ano – de janeiro a outubro de 2021, o Ciesp-Campinas também registrou saldo positivo com 9.430 vagas.

Balança Comercial Regional

O Departamento de Comércio Exterior do Ciesp-Campinas divulgou os números da Balança Comercial Regional de outubro. Em outubro de 2021 o valor exportado foi de US$ 269,8 milhões – 21% maior que em outubro de 2020. Já as importações no mesmo mês foram de US$ 1,08 bilhão – 21,5% maior do que em outubro do ano passado. O saldo em outubro de 2021 foi negativo em US$ 810,7 milhões – 21,7% maior do que o registrado em outubro de 2020.

A corrente de comércio exterior regional (soma das exportações e importações) em outubro de 2021 foi de US$ 1,350 bilhão – 21,4% maior que no mesmo mês do ano passado.

Em outubro os principais municípios exportadores da Regional Campinas do Ciesp foram, pela ordem: Campinas (27,3%), Paulínia (26,7%), Sumaré (12,1%), Mogi Guaçu (7,2%) e Amparo (6,5%).

Já os municípios que mais importaram foram: Paulínia (42,3%), Campinas (21,6%), Sumaré (10,6%), Hortolândia (9,1%) e Jaguariúna (8%). O percentual do município refere a sua participação em relação ao total da Regional no Balanço Mensal.

O Ciesp-Campinas conta com 494 empresas associadas, distribuídas em 19 municípios da região. O faturamento conjunto das empresas associadas é de R$ 41,52 bilhões ao ano. Conjuntamente essas empresas empregam 98.894 colaboradores.

 

Foto: Vice-diretor do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

COMPRA DE PROCESSOS TRABALHISTAS É ALTERNATIVA PREVISTA EM LEI QUE BENEFICIA QUEM ESPERA POR INDENIZAÇÃO

Quem já não ouviu histórias de trabalhadores que processaram empresas e demoraram anos para receber …

Facebook
Twitter
LinkedIn