KPMG DESTACA TENDÊNCIAS E DESAFIOS EM ENERGIA FRENTE AO CENÁRIO DE PANDEMIA

Um levantamento realizado pela KPMG faz um raio-x do atual cenário do setor de energia frente à pandemia causada pela Covid-19. O documento aponta as principais tendências e desafios do segmento e ainda mostra os padrões de retomada da indústria de energia como queda de consumo, aumento da inadimplência e paralisação de projetos de modernização. “A extensão da quarentena e da pandemia determinará qual o tamanho do impacto no setor elétrico. A grande expectativa do mercado é na a construção de uma solução sistêmica e coordenada para a manutenção da sustentabilidade dos agentes sem sobrecarregar o consumidor final”, analisa a sócia da KPMG da área de energia, Franceli Jodas.

Desafios do setor de energia elétrica:

Impacto direto da redução do consumo de energia e aumento da inadimplência, afetando negativamente as receitas das empresas.

Queda no consumo na contramão da necessidade de continuar a dar manutenção aos empreendimentos para garantir a segurança energética da população.

Medidas iniciais adotadas pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para preservar o consumidor: minimizar os contatos físicos na medição da carga, preservar o abastecimento de energia e suspender o corte por inadimplência por 90 dias.

Preocupações em análise pelo governo: minimizar os impactos econômicos dos agentes em especial às distribuidoras e a criação de uma solução sistêmica para evitar o efeito cascata e garantir a retomada da agenda de desinvestimento.

Tendências para o setor de energia elétrica:

Revisão de projetos prioritários: foco na manutenção.

Continuidade na agenda de redução de custos e aumento da eficiência operacional através da automação.

Impacto negativo na decisão de investimentos em na modernização e em projetos de energias renováveis.

Novos modelos de negócios e de operação.

Posicionamentos fiscais – recuperação de créditos, postergação de pagamentos.

Indicadores de Environmental, Social and Governance (ESG) em pauta.

Revisão do quadro profissional e de contratos com fornecedores.

Estruturação de capital – renegociações e postergações de dívidas.

Necessidade de aprovação dos projetos de lei e medida provisória em pauta no legislativo que ajudariam na redução do impacto financeiro causado pela pandemia.

 

Foto: Sócia da KPMG da área de energia, Franceli Jodas.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

RMC REGISTRA AUMENTO DE 5,22% NAS VENDAS EM SETEMBRO

Os dados da Boa Vista SCPC de agosto de 2020 indicam que o comércio da …

Facebook
Twitter
LinkedIn