MESMO COM VAGAS FALTAM PROFISSIONAIS QUALIFICADOS NA ÁREA DE TI

O mercado de Tecnologia da Informação (TI) no Brasil está em expansão, oferecendo oportunidades significativas para profissionais qualificados. No entanto, esse crescimento se depara com um desafio crucial que envolve o déficit de formação na área, que impede o preenchimento eficaz dessas vagas. Segundo a Brasscom, associação de empresas deste setor, existe uma demanda média anual de 159 mil profissionais no país, mas o Brasil só forma 53 mil profissionais por ano. Ou seja, para cada três vagas criadas, apenas uma é preenchida.

Gustavo Santos, CTO da Callface, empresa de tecnologia referência em comunicação por voz em nuvem, conhece bem essa realidade. Segundo ele, está cada vez mais difícil encontrar profissionais com determinadas qualificações, uma vez que o mercado está muito competitivo e os bons profissionais normalmente já estão empregados e pedindo salários maiores. Fora isso, a pandemia criou um ambiente mais confortável, mudando as relações de trabalho, fazendo com que a maioria, sem exceção, prefira continuar no sistema de trabalho híbrido ou 100% em home office.  “A concorrência sempre vai existir, porém, com o home office, abriram-se novas oportunidades de trabalho até no exterior e sem sair de casa, ampliando as oportunidades para candidatos e aumentando a nossa dificuldade em contratar esses profissionais. O que fazemos para atraí-los e retê-los é vender a ideia do projeto e ofertar um salário justo, fazendo com que o profissional seja parte da empresa e não apenas um funcionário”, enfatiza Gustavo.

Outro fator que contribui para a escassez de profissionais capacitados é a aceleração do setor que, a todo momento, é impactado pelas novas tecnologias, como Inteligência Artificial, Machine Learning, Metaverso. Essa evolução vai demandar competências específicas, tais como programação, análise de dados e administração de sistemas inteligentes – conhecimentos trabalhados na área de Tecnologia da Informação.

Segundo Rafael Dias, coordenador dos cursos da área de tecnologia da instituição de ensino UNISUAM, a constante evolução do segmento estimula os profissionais a se atualizarem a todo momento, sendo necessário tanto o conhecimento teórico como a experiência prática: “A educação formal permite que os estudantes se mantenham atualizados com as últimas tendências, padrões e tecnologias emergentes por meio de currículos revisados regularmente. A prática permite a aplicação para melhor compreensão e adaptação de habilidades para a transformação do conhecimento”, explica Rafael.

Com mais de 50 anos de história, a UNISUAM é a primeira instituição de ensino do Brasil a se tornar um Centro Universitário. Com sede no Rio de Janeiro e unidades em Bonsucesso, Campo Grande e Bangu, mais de 50 cursos entre graduações, especializações e pós (Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado) são oferecidos aos mais de 30 mil estudantes.

A Callface é uma empresa referência em soluções de comunicação por voz. Entregando soluções em nuvem e oferecendo funcionalidades estratégicas — gravação de chamadas, integração com CRMs, ATSs e ERPs, painel de controle e mais —, a Callface é ideal para empresas que querem aumentar a visibilidade e a análise de dados, melhorar a produtividade, aumentar a lucratividade de quem a usa e, claro, cultivar relacionamentos duradouros.

 

Foto 1 – Gustavo Santos, CTO da Callface.

Foto 2 – Rafael Dias, coordenador dos cursos da área de tecnologia da instituição de ensino UNISUAM.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

AWARE INVESTMENTS INICIA PLANO DE EXPANSÃO REGIONAL E PREVÊ CHEGAR A R$ 20 BI SOB GESTÃO

O ano de 2024 tem tudo para ser bastante promissor para a Aware Investments. O …

Facebook
Twitter
LinkedIn