NEGÓCIOS DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS EM MAIO FOI 27,8% MAIOR NA COMPARAÇÃO COM 2018

A demora na aprovação da reforma trabalhista continua a afetar os ânimos do mercado, com reflexo direto no caixa das micro, pequenas e médias empresas e profissionais liberais. O volume de negócios fechados por estes segmentos em maio nas regiões de Campinas (SP), Jundiaí (SP) e Americana (SP) teve queda de 5,6% ante o mês de abril. Foi a segunda queda consecutiva no ano: em abril as vendas já tinham se retraído 16,37% quando comparado ao mês anterior.

Segundo o Índice BNI Planalto Paulista, pesquisa mensal feita com cerca de 550 empresas das cidades de Campinas, Jundiaí, Indaiatuba, Americana, Atibaia, Santa Bárbara D’Oeste, Sumaré e cidades no entorno, no período de 1º a 31 de maio estas empresas fecharam R$ 5.07 milhões em negócios. Em abril, o Índice BNI Planalto Paulista havia captado um volume de vendas de R$ 5.37 milhões.

Os números da pesquisa são captados de forma automática e online, assim que o negócio é fechado e lançado como faturado e recebido pelas empresas e profissionais liberais associadas ao BNI Planalto Paulista.

Na avaliação do Diretor do BNI Planalto Paulista, Eduardo Santana, a queda de faturamento das micro, pequenas e médias empresas e profissionais liberais é reflexo da estagnação da economia, que impede estes segmentos de fechar mais negócios.

Por outro lado, ele lembra que o Índice BNI Planalto Paulista captou que os dados deste ano ainda continuam bem melhores na comparação com o mesmo período de 2018. “Em maio do ano passado as empresas fecharam R$ 3.65 milhões. Ou seja, temos 27,8% mais negócios neste ano”, aponta. “Ainda que em compasso de espera, estamos com a atividade bem superior ao mesmo período do ano passado, o que sinaliza a esperança nas mudanças de desburocratização e liberalização da economia em pauta no congresso”, completa Santana.

No acumulado dos últimos doze meses, o volume de negócios fechados pelas micro e pequenas empresas e profissionais liberais da região do BNI Planalto Paulista soma R$ 104.59 milhões.

Negócios com Networking

O principal motor de negócios para empresários associados ao BNI é o networking que eles fazem entre si semanalmente e o trabalho de abrir suas redes de relacionamentos para seus parceiros de equipe e até de outras regiões do Brasil e do exterior. “Com base na filosofia de contribuição, através da qual empresários e profissionais liberais trabalham para alavancar seus negócios e de seus parceiros, empresários e profissionais liberais vêm melhorando o faturamento através da prática de relacionamentos em momentos de estagnação e recuperação do mercado”, explica Santana.

Além dos encontros que realizam entre as equipes todas as semanas, os associados do BNI estão interligados a mais de 250 mil empresas e profissionais do mundo todo, trocando experiências e realizando negócios.

Além dos grupos já constituídos em Campinas, Indaiatuba, Jundiaí, Americana, Atibaia, Santa Bárbara D’Oeste e Sumaré, o BNI Planalto Paulista está em fase de expansão, com implantação de novas equipes em Valinhos, Vinhedo, Campinas, Indaiatuba, Hortolândia e Louveira.

Fundado em 1985, nos Estados Unidos, o BNI® é a maior organização de networking de negócios do mundo, presente em mais de 70 países e com mais de 250 mil empresas utilizando a ferramenta. No Brasil, são mais de 6 mil empresas associadas nos principais estados da federação. Seus membros  são profissionais de negócios que ajudam uns aos outros a desenvolverem seus negócios, através de seu compromisso com o principal valor da organização, o GiversGain – Contribuir para Ganhar.

 

Foto: Encontro de Empresários do BNI.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

TRADICIONAL JORNAL DA ARGENTINA ADOTA HYPERINTELLIGENCE PARA IMPULSIONAR A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

Receber dados de seu interesse e gerenciar o  conteúdo produzido, em tempo real, enquanto escrevem …

Facebook
Twitter
LinkedIn