QUASE 14% DAS CONTAS DIGITAIS GLOBAIS RECÉM-CRIADAS SÃO SUSPEITAS DE FRAUDE DIGITAL EM 2023

O Relatório Global de Tendências de Fraude Digital Omnichannel 2024, lançado pela TransUnion (NYSE: TRU), revela que uma em cada sete contas digitais recém-abertas é suspeita de fraude digital. Os resultados são baseados em insights proprietários da rede de inteligência global da TransUnion, empresa global de informações que atua como DataTech. Isto pode representar uma mudança de tática por parte dos fraudadores, que esperam se envolver mais cedo no processo transacional.

O estudo mostrou que 13,5% das transações associadas à abertura de contas online eram suspeitas de fraudes globalmente em 2023. Entre os setores que registraram a maior porcentagem de transações de abertura de contas suspeitas de fraude digital em todo o mundo, em 2023, estavam varejo (44,7%), viagens e lazer (36,0%) e videogames (31,5%). Além disso, outros tipos de fraude na jornada digital do cliente estão relacionadas a login em conta (3,2%) e transações financeiras (2,5%). No Brasil, login em conta foi a etapa que mais apresentou suspeitas de fraude (9,3%) entre as transações.

Para transações em que o consumidor estava no Brasil, a porcentagem mais elevada de fraude digital na jornada do cliente online ocorreu no setor de viagens e lazer, com 85,53%, número muito maior do que de outros setores, que variaram menos entre si. A expectativa dos consumidores de terem experiências digitais seguras com as instituições e que promovam a confiança nas transações é reportada de forma significativa. No estudo, globalmente 59% das pessoas entrevistadas disseram que trocariam de empresa, caso esta oferecesse uma experiência digital melhor. No entanto, 50% classificaram a segurança dos dados pessoais como a principal razão para fazer negócios com uma empresa on-line. “A criação de confiança entre empresas e consumidores é um passo essencial para proporcionar experiências positivas e gerar fidelidade. E os clientes têm grandes expectativas de que as organizações com as quais se relacionam protejam seus dados. Não à toa, 93% das pessoas entrevistadas consideram a confiança como um dos principais atributos para fazer transações on-line, antes mesmo da agilidade”, afirma Claudio Pasqualin, Chief  Product Officer (CPO) da TransUnion Brasil.

Ainda assim, agilidade aparece como um fator crítico. No Brasil, quase metade dos entrevistados (42%) considera o processo digital moroso, principalmente por conta da quantidade de informações solicitadas no momento do cadastro digital. “A segurança da operação passa pela validação dos dados e confirmações necessárias. O desafio da TransUnion é tornar o processo mais ágil sem abrir mão da proteção dos usuários, reduzindo a taxa de abandono durante a jornada do cliente de maneira consistente. Isso significa promover prevenção a fraudes em camadas, validando a integridade das identidades e comportamentos suspeitos, que ajudam não só mitigar fraudes de identidade sintética e reduzir a necessidade de preencher longos formulários online, como também, alertar que o equipamento que está sendo utilizado possui comportamento fraudulento. As organizações que tem uma estratégia corporativa para prevenir fraudes e que oferecem segurança e facilidade nas suas experiências omnichannel estão em posição mais favorável para construir confiança com seus clientes”, conclui Pasqualin.

Quando se trata de tipos de fraude digital que os clientes da TransUnion relataram à empresa em 2023, invasão de conta (ATO)³ foi a mais mencionada, representando 7% das fraudes digitais globais. A porcentagem supera ligeiramente a fraude de cartão de crédito, principal ação relatada à TransUnion por seus clientes em 2022. No entanto, a fraude de identidade sintética¹ foi a que mais cresceu em 2023, com aumento de 6,1% globalmente, contra 5,3% em 2022. Em termos de volume ano após ano, pode-se considerar o aumento de 21%, totalizando 184% de 2019 a 2023.

Ainda, mais da metade (54%) de todas as pessoas entrevistadas relataram que foram alvo de golpes fraudulentos por e-mail, on-line, telefonemas ou mensagens de texto nos três últimos meses de 2023. No Brasil, o tipo de fraude mais relatado foi o roubo de cartão de crédito. Apenas no quarto trimestre de 2023, 40% dos entrevistados disseram ter sido alvo e/ou vítima desse tipo de fraude. “É imprescindível acompanhar e compreender quais tipos de fraude mais crescem, as que deixam de ser populares, em quais mercados elas se desenvolvem, quais os principais alvos para antecipar movimentos e comportamentos fraudulentos em prol da mitigação. Se os fraudadores se antecipam, precisamos estar prontos para evitar sua propagação”, afirma Pablo Nemirovsky, Gerente de Soluções de Prevenção à Fraude da TransUnion Brasil.

No geral, o estudo identificou que 5% de todas as transações digitais globais eram suspeitas de fraudes digitais em 2023, com o volume de transações de risco aumentando em 14% comparado ao ano anterior, e 105% de 2019 a 2023. O número dessas transações suspeitas continua a superar o crescimento geral de transações digitais, que aumentaram 90% no mesmo período.

Globalmente, o varejo ultrapassou os jogos (jogos de azar on-line, como poker e apostas), já que a indústria registrou a maior taxa de suspeita de fraude digital em 2023, com 8,7% – um aumento de 21% em relação ao ano anterior. “Nos últimos anos, o setor varejista global tem aparecido consistentemente entre aqueles com as maiores taxas de tentativas de fraude. No entanto, em 2023, vimos que o setor subiu ao topo da lista”, conta Cecilia Seiden, Vice-Presidente de Negócios de Varejo da TransUnion. “Como resultado do roubo de credenciais em vazamento de dados, muitas vezes em outros setores que não o varejo, tornou-se cada vez mais fácil para os fraudadores perpetuarem ataques que deixam os varejistas vulneráveis à invasão de contas”, completa.

No entanto, para transações em que o consumidor ou fraudador estavam localizados no Brasil, as comunidades digitais, como sites de relacionamento, por exemplo, apresentam a maior taxa de fraude digital, de 9,48% em 2023 (aumento de 15,08% em relação a 2022). O setor de Viagens e Lazer vem na sequência, com 7,37% para 2023 e teve sua taxa de suspeita de fraude digital aumentada em 36,1% em relação a 2022. Já no setor de logística, a suspeita de fraude digital aumentou em 163,53% em relação ao ano anterior. O setor de serviços financeiros teve a taxa de suspeita de fraude digital aumentada em 130,64% em relação ao ano anterior no Brasil.

A TransUnion chegou às suas conclusões sobre fraude digital com base na inteligência de seu conjunto de soluções de identidade e fraude, que ajuda a garantir a confiança em todos os canais e oferece experiências eficientes ao consumidor – TransUnionTruValidate. A taxa ou porcentagem de tentativas suspeitas de fraude digital refletem aquelas que os clientes da TransUnion determinaram que atendiam a uma das seguintes condições: 1) negação em tempo real devido a indicadores fraudulentos; 2) negação em tempo real por violações de políticas corporativas; 3) consideradas fraudulentas após investigação do cliente; ou 4) considerada uma violação da política corporativa após investigação do cliente.

 

Foto 1 – Claudio Pasqualin, Chief  Product Officer (CPO) da TransUnion Brasil.

Foto 2 – Pablo Nemirovsky, Gerente de Soluções de Prevenção à Fraude da TransUnion Brasil.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

COMO O CIDADÃO PODE SE PROTEGER DAS FAKE NEWS NAS ELEIÇÕES

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já disponibiliza aos cidadãos o Sistema de Alerta de Desinformação …

Facebook
Twitter
LinkedIn