SINDIVAREJISTA DE CAMPINAS E REGIÃO REGISTRA QUEDA DE EMPREGOS NO VAREJO

A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), do SindiVarejista de Campinas e região em parceria com a FecomercioSP, que mensalmente é elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) aponta que o comércio varejista da região de Campinas fechou 876 vagas de trabalho, em fevereiro. O número é resultado de 6.821 admissões contra 7.697 desligamentos. Por outro lado, no acumulado dos últimos 12 meses houve 1.242 novos vínculos criados. Com isso, o setor encerrou o mês com um estoque ativo de 196.809 trabalhadores, ou seja, uma alta de 0,6% em relação ao mesmo período do ano passado.Sanae&Funcionarios2014_0301

Das nove atividades analisadas, três tiveram redução no estoque total de trabalhadores formais em relação a fevereiro do ano passado, que são lojas de vestuário, tecidos e calçados de 3,9%; lojas de móveis e decoração com 3,4%; e outras atividades de 0,4%. Por outro lado, eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos com 2,6% e supermercados de 2,3% apresentaram as maiores taxas de crescimento do estoque de vínculos na mesma base comparativa.

Para a presidente do SindiVarejista de Campinas e região, Sanae Murayama Saito, os números de fevereiro são resultado da alta contratação de temporários no final do ano. “Já esperávamos um desempenho negativo nesse início de ano, uma vez que após o Natal, é natural um ajuste no quadro de funcionários”, afirmou.

O comércio varejista do Estado voltou a eliminar vagas formais pelo segundo mês consecutivo. Em fevereiro, 5.858 empregos celetistas foram extintos, resultado de 70.351 admissões e 76.209 desligamentos. Com isso, o estoque ativo do setor atingiu 2.065.477 vínculos com carteira assinada, leve alta de 0,1% na comparação com o mesmo mês de 2017. No acumulado dos últimos 12 meses, o saldo foi positivo em 3.014 vagas.

Em fevereiro, entre as nove atividades pesquisadas, cinco apresentaram redução no estoque de trabalhadores no comparativo com o mesmo mês de 2017, com destaque para as lojas de móveis e decoração com redução de 1,8%; e lojas de vestuário, tecidos e calçados com redução de 1,6%. Por outro lado, os melhores desempenhos ficaram por conta dos segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos de 2,8%; e de farmácias e perfumarias de 2,3%.

Na Região de Campinas, a pesquisa abrange as cidades de Águas de São Pedro, Americana, Araras, Artur Nogueira, Campinas, Capivari, Charqueada, Cordeirópolis, Cosmópolis, Elias Fausto, Engenheiro Coelho, Hortolândia, Indaiatuba, Iracemápolis, Leme, Limeira, Mombuca, Monte Mor, Nova Odessa, Paulínia, Piracicaba, Rafard, Rio das Pedras, Saltinho, Santa Bárbara d’Oeste, Santa Cruz da Conceição, Santa Maria da Serra, São Pedro, Sumaré, Valinhos.

Foto: Presidente do SindiVarejista de Campinas e região, Sanae Murayama Saito.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PRESIDENTE DA EPSON DO BRASIL VÊ POSSIBILIDADE DE CRESCIMENTO MESMO COM PANDEMIA

“Claro que temos que considerar que é uma questão de saúde pública. Mas olhando pelo …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn