DIA DA INDÚSTRIA CELEBRA A HISTÓRIA, O PRESENTE E O FUTURO DO BRASIL

ARTIGO DE RAFAEL CERVONE

O Dia da Indústria, 25 de maio, foi instituído em homenagem ao patrono da atividade no Brasil, Roberto Simonsen, falecido nessa data, em 1948. Sua trajetória sintetiza a força, resiliência e capacidade de trabalho do empresariado do setor, como se observa na região de Campinas. Tais características sempre foram marcantes naqueles que se dedicam a transformar matérias-primas em produtos para melhorar a vida das pessoas!

O primeiro grande impulso da manufatura brasileira ocorreu no período imediatamente posterior à Primeira Guerra Mundial, que criou dificuldades de importação, abrindo espaço para a produção nacional. Nesse movimento, o CIESP, fundado em 28 de março de 1928, representou mudança fundamental para a industrialização. Nasceu para transformar não apenas métodos, mas também pensamentos. A eleição da primeira diretoria teve o Conde Francisco Matarazzo como presidente e vice, Roberto Simonsen. Os demais cargos foram ocupados por representantes das principais empresas e ideias daquele momento, dentre eles Horácio Lafer, Jorge Street, José Ermírio de Moraes e Antonio Devisate.

A partir da década de 1950 do século passado, a indústria teve um novo impulso no Brasil, chegando a representar 25% do PIB nacional. Nas últimas quatro décadas, sua participação foi caindo, situando-se hoje em 11,3%. Não é sem razão que o crescimento econômico do País também tenha diminuído nesses 40 anos. Afinal, o setor é um grande gerador de empregos, paga os melhores salários, é o que mais promove inovação e aporte tecnológico e agrega valor às exportações. Por isso, temos defendido perante o governo, com força e insistência, uma nova política pública de médio e de longo prazo para seu fomento.

A nova reindustrialização do Brasil é determinante para recuperarmos a economia, deixarmos de andar de lado e ascendermos ao patamar das nações de renda alta. O fortalecimento do setor é decisivo para reduzirmos as desigualdades sociais e proporcionarmos vida de mais qualidade à população. Também é determinante para, como ocorreu na Primeira Guerra e no boom a partir de meados do Século 20, nos prepararmos para garantir um futuro melhor para nosso país e aproveitarmos as oportunidades claras que surgem no horizonte.

Estamos muito atentos a tudo isso no Ciesp e na Fiesp, que produziram o estudo Macrotendências Mundiais até 2040, visando subsidiar o avanço setorial e contribuir para políticas públicas corretas. Sempre na comparação entre 2020 e as projeções para aquele ano, alguns dados são relevantes: o PIB mundial deverá aumentar 70%, alcançando US$ 233 trilhões. O Brasil terá 2,2% desse total; a população do planeta crescerá 18%, chegando a 9,1 bilhões; o contingente de idosos aumentará 77%, somando 1,28 bilhão. No Brasil, o índice da terceira idade no total da população crescerá de 9,6% para 17,7%.

Esses números nos dizem que os fatores impactantes das macrotendências são a saúde, alimentos, energia, infraestrutura, urbanização, mudanças no perfil do consumidor, trabalho e qualificação, segurança, entretenimento e turismo. Mais do que nunca, a indústria desse amanhã que já se materializa será voltada às pessoas, o que implica atender à governança ambiental, social e corporativa (ESG), promover ganhos de produtividade que proporcionem melhor desempenho, mais empregos e inclusão e agregar tecnologias voltadas ao bem-estar.

Diante da grandeza dos desafios, reiteramos, neste Dia da Indústria, a capacidade e determinação dos empresários e recursos humanos do setor e manifestamos a certeza de que, como ocorreu até agora na História do Brasil, o futuro começa a ser construído no chão de fábrica!

 

 

Rafael Cervone, engenheiro e empresário, é o presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Facebook
Twitter
LinkedIn