CASA DA FONTE DISPONIBILIZA APOSTILAS IMPRESSAS E PLANTÃO DE DÚVIDAS PARA ALUNOS

Este ano foi atípico no mundo todo. As aulas, que inicialmente foram suspensas, passaram para o formato online. E a Casa da Fonte, associação socioeducacional sem fins lucrativos que tem como mantenedora a Companhia Saneamento de Jundiaí (CSJ), também precisou se adequar para seguir atendendo os alunos que tinham aulas no contraturno escolar na instituição, mas agora de maneira remota.

Segundo a diretora Cristina Castilho, no início foram observadas algumas dificuldades pela falta de acesso à tecnologia. “Nós disponibilizamos todos os conteúdos nas redes sociais, mas a população é carente. São poucos os que possuem computador. A maioria usa o celular da mãe e, com o avanço dos meses da pandemia, veio o desemprego, e diminuiu a possibilidade do investimento em internet nessas famílias”, diz.

A diretora explica que foi assim que surgiu a ideia de enviar apostilas impressas aos alunos. “Resolvemos então disponibilizar, por sugestão do diretor presidente da CSJ, Luiz Pannuti Carra, um material para todos que frequentavam as aulas de Língua Portuguesa, Matemática, Alfabetização e Oficina de Emoções. Após a resolução das atividades, os alunos devolvem para correção feita pelos professores e recebem um relatório final apontando as dificuldades apresentadas nas atividades propostas”, conta.

Com a análise dos relatórios realizados pelos professores após a entrega de cada atividade, foi observado um retrocesso na evolução de aprendizagem dos alunos. Dentro do plano de retorno das atividades permitidas, começou a ser estruturado o plantão de dúvidas, atendendo presencialmente alguns alunos. “Planejamos um retorno seguindo os protocolos de saúde, com a limpeza constante do ambiente das aulas, o que viabilizou o funcionamento e realização do plantão, orientação de estudos e acolhimento emocional, principalmente para aqueles com maior dificuldade”, explica Cristina.

Lado emocional

Para a psicóloga da Casa da Fonte, Ana Cristina Codarin Rodrigues, a parte emocional foi bastante afetada. “Percebemos um aumento de ansiedade nos nossos alunos, alguns apresentaram muita dificuldade na realização de tarefas, outros tiveram perdas no aprendizado. Foi quando a gente avaliou a necessidade de fazer alguns atendimentos presenciais”, diz.

Este retorno fez a diferença para crianças e adultos. “Houve uma diminuição do sentimento de angústia. Está sendo de grande valia para a população estes serviços que a Casa da Fonte oferece, principalmente neste momento tão delicado que estamos vivendo”, conta Ana Cristina, ressaltando que todo atendimento segue todos os protocolos sanitários exigidos.

A Casa da Fonte é uma associação socioeducacional sem fins lucrativos que tem como mantenedora a Companhia Saneamento de Jundiaí e que recebe diariamente crianças e adolescentes no contraturno escolar com atividades diferenciadas, para a ampliação dos seus horizontes. Jovens e adultos também são assistidos em cursos semiprofissionalizantes e de geração de renda, que visam a ampliação do orçamento doméstico.

As escolas Cleo Nogueira Barbosa, Ivo de Bona, Dom Joaquim Justino Carreira e Alessandra Cristina Rodrigues Pezzato e o CECE José De Marchi, com um total de 4.674 alunos, e o Centro Comunitário São Francisco de Assis da Cáritas Diocesana também são apoiados pela Companhia Saneamento de Jundiaí.

 

Foto: Plantão de dúvidas.

Crédito: Divulgação.

 

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

VEDAMOTORS APRESENTA NOVIDADES NO SALÃO DAS MOTOPEÇAS

Expectativas muito positivas marcam os preparativos da Vedamotors – Divisão Brasil do Grupo Athena – …

Facebook
Twitter
LinkedIn