INDÚSTRIA DA REGIÃO DE CAMPINAS AVALIA DESINDUSTRIALIZAÇÃO E GLOBALIZAÇÃO

A Regional Campinas do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) apresentou pesquisa de Sondagem Industrial de maio realizada junto às suas empresas associadas. Motivado pelo Dia da Indústria (25 de maio), o Ciesp-Campinas focou dois temas emblemáticos para a indústria brasileira que envolvem a desindustrialização e globalização. O diretor do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa, afirmou que 66% das respondentes da pesquisa apontaram ‘recuo na globalização’, em razão dos efeitos econômicos mundiais provocados pela guerra da Rússia e Ucrânia e a pandemia da Covid-19. O ‘aumento da globalização’ foi apontado por 17%, mesmo percentual dos que responderam ‘não ter avaliação’.

Esses números indicam que após um ano, a globalização dá sinais de algum recuo, na avaliação da indústria da região de Campinas. A mesma pergunta feita em maio de 2022, apontou recuo na globalização para 50% das empresas; aumento na globalização para 36% e nenhuma avaliação para 14%.

A desindustrialização – uma das principais preocupações do setor em 2023, para 78% das associadas ‘é um problema grave e precisa de ações para ser revertida’. Já 17% das empresas indicam que ‘algumas ações adotadas começam a reverter’ esse processo. Apenas 5% ‘não tem avaliação sobre o tema’.

Comparando-se com os percentuais respondidos na mesma pesquisa feita em maio de 2022, pode-se perceber um movimento positivo direcionado para a reversão da desindustrialização. O ‘problema era grave’ para 90% das respondentes e 10% ‘não tinham avaliação sobre o tema’.

O diretor do Ciesp-Campinas, explicou que a Sondagem de maio, quando comparada com o mês anterior, em relação ao volume de produção, aumentou para 11% das associadas, permaneceu estável para 56% delas e diminuiu para 33% das respondentes.  O faturamento das associadas, na mesma comparação, diminuiu para 39% delas, ficou estável para 45% e aumentou para 16%. Já o número de funcionários no período permaneceu estável para 72% das empresas, aumentou para 6% delas e diminuiu para 22%.

Corrêa explicou que os números da Sondagem de maio mostram que as empresas ainda estão aguardando medidas econômicas mais positivas para uma retomada efetiva e cita como preocupação a queda na lucratividade da indústria regional. Em maio, 55% das associadas apontaram queda na lucratividade em relação ao mês anterior.

Em relação às expectativas do setor, em função do Dia da Indústria, o diretor do Ciesp-Campinas, afirmou a necessidade das reformas tributária e administrativa e a queda nas taxas de juros. “A indústria tem feito a sua parte. A jornada de transformação digital da Fiesp-Ciesp está capacitando 11 mil indústrias em todo o estado de São Paulo, fortalecendo as cadeias produtivas regionais e possibilitando um salto tecnológico para essas empresas. Podemos e precisamos avançar mais, gerando empregos e desenvolvimento econômico”, acrescentou Corrêa.

O nível de utilização da capacidade instalada de produção da indústria da região de Campinas, em maio ficou entre zero% e 70% para 50% das empresas e entre 70,1% e 100% também para 50% delas. Em abril, esses mesmos dois níveis de capacidade instalada, foram apontados, respectivamente, por 64% e 36%, das empresas.

Balança Comercial Regional

O vice-diretor do Ciesp-Campinas, Valmir Caldana, em relação aos números da Balança Comercial Regional, em abril de 2023, informou que o valor exportado foi de US$ 304,1 milhões – 3,3% maior que em abril de 2022. Já as importações no mesmo mês foram de US$ 917,5 milhões – 6,4% menor do que em abril do ano passado. O saldo em abril de 2023 foi negativo em US$ 613,4 milhões – 10,5% menor do que o registrado em abril de 2022.

A corrente de comércio exterior regional (soma das exportações e importações) em abril de 2023 foi de US$ 1,221 bilhão – 4,1% menor que em abril do ano passado.

Em abril de 2023 os principais municípios exportadores da Regional Campinas do Ciesp foram, pela ordem: Campinas (29,3%), Paulínia (23,8%), Sumaré (12,8%), Mogi Guaçu (10,2%) e Valinhos (6%).

Já os municípios que mais importaram foram: Paulínia (38%), Campinas (32,1%), Jaguariúna (7,8%), Hortolândia (6,4%) e Sumaré (6%). O percentual do município refere-se a sua participação em relação ao total da Regional no Balanço Mensal.

Caldana destacou os principais destinos das exportações da indústria regional em abril/2023:  Estados Unidos (US$ 60,75 milhões – 20%), Argentina (US$ 46,75 milhões – 15,4%) e China (US$ 16,82 milhões – 5,5%).  Principais países de origem das importações para a região: China (US$ 271,54 milhões – 29,6%), Estados Unidos (US$ 134,82 milhões – 14,7%) e Vietnã (US$ 50,36 milhões – 5,5%).

O Ciesp-Campinas conta com 590 empresas associadas, distribuídas em 19 municípios da região. O faturamento conjunto das empresas associadas é de R$ 53 bilhões ao ano. Conjuntamente essas empresas empregam 97.954 colaboradores.

 

Foto:  José Henrique Toledo Corrêa, Diretor do Ciesp-Campinas e ValmirCaldana, vice-diretor.

Crédito: Roncon & Graça Comunicações

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

CO-FUNDADORA DO ARQ FUTURO DEFENDE RECUPERAÇÃO DOS CENTROS COMO OPÇÃO DE MORADIA

Nesta semana Campinas foi sede de um evento com palestrantes internacionais e expoentes brasileiros dos …

Facebook
Twitter
LinkedIn