AVIAÇÃO EXECUTIVA CRESCE DIANTE DA CRISE MUNDIAL

A crise ocasionada pela pandemia da Covid-19 impactou diversos setores da economia de forma negativa. Porém, o setor de aviação executiva foi atingido positivamente, ao contrário da aviação comercial. Destinos nacionais foram priorizados, já que as fronteiras internacionais estão fechadas e a privacidade nos voos de lazer e negócios são fatores que ocasionam esse crescimento, assim como os voos médicos e de carga.

A Avantto, empresa líder no segmento de compartilhamento de aeronaves executivas,  aponta que em 2020 registrou um aumento de 25% no resultado operacional, comparado ao ano anterior.  E a tendência é que esse número cresça. A empresa, que possui 65 aeronaves em sua frota e aproximadamente 450 usuários ativos, em seu sistema de compartilhamento, estima fechar o ano de 2021 com um aumento de 32% no EBIT. “O crescimento do uso de aeronaves executivas durante a pandemia originou-se de duas fontes: uma menor oferta de voos comerciais, o que piorou a já difícil tarefa de se locomover no país e o desejo das pessoas de não se aglomerar em aeronaves lotadas”, explica Rogerio Andrade, CEO e sócio da Avantto.

Outro fator que pode impulsionar ainda mais esse cenário é a nova regulamentação sobre compartilhamento de aeronaves no Brasil, aprovada pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil em fevereiro, que entrará em vigor a partir do ano que vem. No texto, entre as determinações estão a  limitação de cotas por aeronave – de 16 para jatos e 32 helicópteros, a definição de responsabilidades legais sobre a operação das máquinas e exigências mais rigorosas quanto ao treinamento dos pilotos, a manutenção de aeronaves e aos Sistemas de Gerenciamento de Segurança Operacional.

Para Rogério Andrade, a medida contribui para o crescimento ainda mais acelerado desse segmento da aviação executiva, que já é uma tendência há anos. “A medida chega em um momento oportuno, somado ao Programa Voe Simples (anunciado recentemente pela Agência) e promoverá mais competitividade ao setor”, diz.  Além disso, o executivo ressalta que com a nova medida, permanecerão no mercado apenas as empresas sérias, dispostas a investir na qualidade das operações e na segurança, se adaptando ao novo regulamento.

A Avantto é empresa líder no segmento de compartilhamento de aeronaves executivas.  Com mais de onze anos no mercado brasileiro, a companhia já se tornou uma das maiores do setor na aviação privada. Com um portfólio de aproximadamente 450 usuários ativos, faz cerca de 1.400 decolagens mensais  e voa mais de 810.000 km por ano.

 

Foto 1 – Rogerio Andrade, CEO e sócio da Avantto.

Foto 2 – Aeronaves da frota da Avantto.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

IBEF CAMPINAS REALIZA A CERIMÔNIA DE ENTREGA DO PRÊMIO EQUILIBRISTA COM JANTAR DANÇANTE

Depois de dois anos por conta da pandemia de covid-19, o IBEF (Instituto Brasileiro de …

Facebook
Twitter
LinkedIn