GRUPO STEFANINI CONSOLIDA ECOSSISTEMA DE CIBERSEGURANÇA

O Grupo Stefanini consolida sua expertise em cibersegurança e reforça a atuação das empresas do grupo que formam o seu ecossistema nesta área. Liderada pela Stefanini Cyber, antes chamada de Stefanini Rafael, a multinacional brasileira especializada em Cyber Security com alcance global e presença nos cinco continentes fortalece e expande suas ofertas estratégicas para o combate de ataques cibernéticos para clientes de toda sua base global, especialmente no Brasil e na América Latina. Ao todo, o Grupo conta com mais de 600 especialistas em cybesecurity ao redor do mundo.

Entre as empresas que compõem a atual plataforma de cibersegurança do Grupo estão a Stefanini Cyber, a Cyber Smart Defence, a Safeway e a TecCloud. A plataforma o Grupo Stefanini registrou um crescimento expressivo no Brasil e América Latina. No Brasil, por exemplo, cresceu em torno de 45% em 2023.

Em um histórico de êxito, ao lado da Stefanini Cyber, juntaram-se parceiros recentes como a IMBEL, que conta com a cooperação técnica firmada entre as empresas, atuando no desenvolvimento de tecnologia de formas de onda para uso militar do Exército Brasileiro no campo de Rádios Definidos por Software. O sistema representa um marco no cenário tecnológico da comunicação para missão crítica, além de permitir segurança tecnológica para tratamento de informações recebidas e fornecidas durantes as ações.

Outra parceira estratégica da Stefanini Cyber é a Nozomi Networks, empresa referência no mercado de fabricação de cibersegurança para OT (Tecnologia Operacional) e IoT (Internet das Coisas). Seus ativos têm a missão de proteger infraestruturas críticas, organizações industriais e governamentais contra ameaças cibernéticas ao redor do mundo.

Cibersegurança na Indústria

É fato que a cibersegurança é missão crítica em todos os setores da economia. No entanto, na área industrial o tema tem enfrentado desafios e barreiras com o uso de tecnologias obsoletas. Com o avanço da conectividade dos processos industriais, impulsionado pelos conceitos de Industria 4.0, os ativos se tornaram expostos e totalmente vulneráveis aos constantes ataques cibernéticos. Com isso, é cada vez mais urgente a implementação de medidas de proteção nestes sistemas.

Para tanto, a Stefanini Cyber desenvolveu, juntamente com a IHM, empresa do Grupo Stefanini focada em automação industrial, a Cyber OT (Operational Technology), um conjunto de soluções na área de segurança cibernética projetada especificamente para atender às necessidades da indústria. A iniciativa atende à crescente demanda por soluções abrangentes para o mercado e integra avaliação de maturidade e risco, implementação de medidas de proteção, monitoramento e resposta a incidentes.

À medida que os sistemas ciberfísicos se tornam mais complexos e interconectados, eles ficam mais vulneráveis ​​a ataques. Com incidentes de segurança que podem resultar em danos reais, como interrupções de produção, danos físicos e ambientais e violação de dados confidenciais, estima-se que até 2025, cerca de 70% das empresas implementarão plataformas de proteção de sistemas ciberfísicos. A Cyber OT oferece uma gama completa de serviços, que contribuem para a manter a produção sem interrupção e incidentes.

As ameaças cibernéticas tornaram-se mais numerosas com a transformação digital na era da Inteligência Artificial (IA). Com a expertise e liderança de mercado, o Grupo Stefanini amplia sua postura de segurança com o objetivo de proteger os dados de seus clientes e parceiros dentro de um novo cenário, entendendo que é necessária uma nova abordagem proativa para a proteção contra riscos de segurança cibernética.

Até 2026, as organizações que priorizarem seus investimentos em segurança com base em um programa de Gestão Contínua de Exposição a Ameaças perceberão uma redução de dois terços nas violações de segurança. Essa sustentabilidade tecnológica só ganhará escala quando o empreendedor realmente enxergar a necessidade de investir na transparência, na confiança e na segurança da IA, quando os modelos alcançarem 50% de melhoria em termos de adoção, metas de negócios e aceitação. “Atingimos um grau de maturidade capaz de atender amplamente aos vários mercados ao redor do mundo. Essa consolidação nos credencia de forma integrada e queremos ampliar continuamente nosso ecossistema de cibersegurança em todos os nossos clientes, que são ávidos por manter seus sistemas operando dentro da mais absoluta normalidade e com um sólido controle de suas empresas”, destaca, Marco Stefanini, fundador e CEO Global do Grupo.

Leidivino Natal, CEO da Stefanini Cyber, aponta os produtos ofertados para todos os segmentos econômicos.  “Temos ofertas robustas e compatíveis para todos os segmentos da economia para atuar em processos que implementem monitoramentos de redes, detecção de ameaças e de anomalias. Sabemos que uma metodologia de gestão da segurança cibernética eficaz deve abranger os pilares de processo, tecnologia e pessoas. Entendemos que não basta apenas a aplicação de tecnologia, mas também a criação de políticas e procedimentos efetivos para permitir a governança do plano de segurança cibernética e, principalmente, a conscientização e treinamento das pessoas envolvidas. É com esse propósito que trabalhamos constantemente”, enfatiza.

A área de cyber também demanda centros de excelência em Security Operations Center (SOC), que desempenham papel fundamental no monitoramento contínuo da segurança da informação, detectando e respondendo a incidentes cibernéticos. Com essa complexidade crescente das ameaças, há uma tendência de empresas terceirizarem a gestão de segurança para SOCs especializados, permitindo acesso à expertise avançada, atualizações em tempo real e uma resposta mais eficiente a incidentes de segurança. O Grupo Stefanini conta com SOCs globais (Brasil, Peru, EUA, Índia e Romênia) que auxiliam as necessidades de todos os clientes ao redor do mundo.

 

Foto 1 – Marco Stefanini, fundador e CEO Global do Grupo.

Foto 2 – Leidivino Natal, CEO da Stefanini Cyber.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PARKINSON – O QUE É PRECISO SABER

ARTIGO DA MÉDICA LAURA MORIYAMA  A doença de Parkinson foi descrita em 1817 por James …

Facebook
Twitter
LinkedIn