PRIMEIRO SEMESTRE DE 2021 REGISTRA O MAIOR DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA EM SEIS ANOS

Dados preliminares do sistema de alertas Deter mostram que os seis primeiros meses de 2021 computaram a maior área desmatada na Amazônia desde 2016, quando começaram os registros. Mesmo faltando dados de cinco dias para fechar o semestre, já foram derrubados 3.325 km2 de floresta, 8% a mais do que o mesmo período de 2020.

O Deter costuma apresentar dados subestimados em relação ao sistema oficial de monitoramento do desmatamento da Amazônia, o Prodes, que é divulgado anualmente. Contudo, indica tendências. “Como ainda faltam cinco dias para fechar o monitoramento de junho, esse número ainda pode crescer”, explica a diretora de Ciência do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), Ane Alencar. “Mas é preocupante. Temos um ano com tendência de seca principalmente na parte sul da Amazônia, e ainda muita área desmatada desde 2019 que ainda não queimou”, acrescenta.

Estudo lançado na semana passada pelo IPAM e pelo Woodwell Climate Research Center mostra que existem 5 mil quilômetros quadrados de vegetação desmatada esperando o fogo, e que um efeito somado do fenômeno La Niña e o aquecimento de partes do Atlântico Tropical Norte pode levar condições mais secas para a região.

 

Foto: Árvore queimada.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

CINCO DICAS PARA EMPREENDEDORES QUE QUEREM DESBRAVAR O MERCADO INTERNACIONAL E AUMENTAR O FATURAMENTO

O número de microempreendedores no Brasil tem crescido significativamente e uma pesquisa recente divulgada pelo …

Facebook
Twitter
LinkedIn