CAMPINAS DECOR DEVE RECEBER 35 MIL VISITANTES EM ÁREA HISTÓRICA DO PRÉDIO DO RELÓGIO

Com um investimento de R$ 35 milhões, a Campinas Decor 2024 abriu as portas ao público nesta sexta-feira (29/04) tendo como cenário a histórica Oficina de Locomotiva da Companhia Mogiana de Estrada de Ferro (Prédio do Relógio). A 26ª edição da mostra segue até o dia 26 de maio unindo passado, presente e futuro em mais uma edição memorável da principal mostra de arquitetura, decoração e paisagismo do interior paulista. A preparação envolveu cerca de R$ 25 milhões em investimentos, além de outros R$ 10 milhões aplicados somente na recuperação do imóvel, cotizados entre a organização, expositores, patrocinadores e fornecedores.

A Campinas Decor tem parceria da Prefeitura de Campinas, que investiu R$ 7,74 milhões, por meio de EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança), para a revitalização da Oficina de Locomotiva da Companhia Mogiana de Estrada de Ferro (Prédio do Relógio). Desse total, R$ 7,5 milhões foram utilizados para a reforma do telhado, parte elétrica e hidráulica. Outros R$ 240 mil foram utilizados para o pagamento da taxa de AVCB ao Corpo de Bombeiros para o prédio.

O prefeito Dário Saadi considerou  a parceria muito importante na recuperação desta área e do histórico Prédio do Relógio. “A Campinas Decor entrou com todos os vidors, banheiros e com mais adequações e a prefeitura com a reforma do telhado, da hidráulica e elétrica. Essa parceria foi muito importante. É um prédio icônico do pátio ferroviário de mais de 7 mil m² que vai agora abrigar a Campinas Decor e no mês de junho vai abrigar o Campinas Innovation Week que é uma feira de tecnologia e de varejo fantástica que vai levar Campinas ainda mais como uma referência de inovação”, declarou.

A secretária de Urbanismo de Campinas, Carolina Baracat Lazinho disse que a recuperação do local foi um grande desafio e está sendo entregue um espaço para eventos totalmente legalizado com AVCB. “Campinas precisa desses espaços na região central. A gente precisa trazer pessoas para morar no Centro e devolver o patrimônio histórico à cidade, então a iniciativa da Campinas Decor foi fundamental”, disse.

Carolina Baracat também falou sobre o projeto da prefeitura para a região central que é transformar essa área num parque urbano. “Por isso que nós estamos com tratativa  com o setor de patrimônio da União para além da guarda provisória que hoje nós temos para uma guarda definitiva para que a prefeitura possa buscar investimentos a níveis até internacionais ou a níveis nacionais para transformar essa grande área no centro da cidade que divide o Centro e a Vila Industrial de um grande projeto de um parque urbano voltado não só ao entretenimento para crianças e adolescentes, mas também um HUB de tecnologia”, concluiu.

A expectativa da organização é de que 35 mil pessoas visitem a 26ª edição da mostra. Emoldurados pela arquitetura original e pelo amplo pé direito do prédio, que traz como destaque a presença de vidro nas laterais e em sua cobertura, propiciando muita luz natural, o amplo galpão de 130 metros de comprimento e mais de 6 mil metros quadrados de área abriga ambientes espaçosos, erguidos do zero, nos quais o público poderá conferir o que há de mais moderno em artigos para decoração, revestimentos, mobiliário, luminotécnica, automação residencial e tudo o que envolve esse universo.

O diretor da Campinas Decor, Fernando Penteado Filho, fez questão de destacar a importância desse espaço histórico para Campinas, para todo o interior do estado de São Paulo e Minas Gerais. “Aqui eram fabricadas todas as locomotivas da Companhia Mogiana. Dezenas de milhares de pessoas e de famílias vieram para Campinas para participar dessa verdadeira transferência de tecnologia que ocorreu no início do século passado através do engenheiro Charles Stevenson que virou Carlos Stevenson e cuja a família reside até hoje no Brasil, em Americana. Um dos profissionais, inclusive, avô dele trabalhava aqui fixando as bitolas da ferrovia”, contou. “Nós temos a rotunda ao fundo de onde se manobrava os trens para se interligar nos linhões. Tem até as bitolas diferentes para interligar a Sorocabana e a Mogiana, a partir daqui”, completou.

Desde 2003, a organização do evento tem renovado prédios públicos como o Lago do Café, a Estação Guanabara, as edificações do Instituto Agronômico de Campinas, a Estação Cultura, a Fazenda Argentina, o casarão do antigo Colégio Ateneu e o prédio do Cotuca (Colégio Técnico da Unicamp). O processo de revitalização também foi realizado em imóveis de propriedade privada de valor representativo na cidade, como a Fazenda Santa Margarida, agora um importante local de eventos. “Foi um legado muito importante da minha mãe Sueli Cardoso e da Stella Tozo que ficaram mais de 20 anos à frente da mostra”, finalizou.

Criada em 1996 para fortalecer o mercado da arquitetura e decoração da cidade, a Campinas Decor consolidou-se como a principal mostra de arquitetura, decoração e paisagismo do interior de São Paulo e ganhou projeção nacional.

Ao longo dos anos, tornou-se uma grande vitrine do trabalho realizado pelos expositores, além de uma oportunidade única para fornecedores e patrocinadores divulgarem sua marca e seus últimos lançamentos.

Ao assumir o legado deixado por Sueli Cardoso, que dirigiu a Campinas Decor com maestria por mais de duas décadas ao lado da sócia Stella Pastana Tozo, a gestão atual, composta por Fernando Penteado Filho, Hebe Fontenele, Arthur Penteado e Cris Soutello, está comprometida em manter a excelência e representatividade do evento.

 

Foto 1 – Diretor da Campinas Decor, Fernando Penteado Filho.

Foto 2 –  Secretária de Urbanismo de Campinas, Carolina Baracat Lazinho.

Fotos 3 e 4 – Estação Gourmet da arquiteta e urbanista Patrícia Moreno.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PARKINSON – O QUE É PRECISO SABER

ARTIGO DA MÉDICA LAURA MORIYAMA  A doença de Parkinson foi descrita em 1817 por James …

Facebook
Twitter
LinkedIn