COM COBERTURA VACINAL EM QUEDA, MULTIVACINAÇÃO É A OPORTUNIDADE DE ATUALIZAR A CARTEIRINHA E PROTEGER CRIANÇAS E JOVENS

A cobertura vacinal da população vem caindo desde 2021. Dados do Ministério da Saúde revelam que, somente na região Sudeste, a porcentagem de brasileiros protegidos contra doenças como Hepatite B reduziu de 70% para menos de 50% – mesma taxa de redução na aplicação de vacinas como a Meningococo C, que auxilia na prevenção contra a meningite. Uma das estratégias adotadas para tentar reverter esse quadro preocupante é a multivacinação, ou seja, uma força tarefa para colocar em dia as vacinas de crianças e adolescentes até 15 anos, tanto na rede pública quanto na particular. “Se considerarmos o contexto geral, temos hoje, no Brasil, uma cobertura vacinal de 50% da população quando, no mundo ideal, esse patamar deveria estar entre 90% e 95% para determinadas vacinas”, destaca a responsável técnica pela clínica de vacinas Semear Imunizações, Júlia Maísa Fernandes Fiorili. “Isso é bastante alarmante, porque a imunização no patamar adequado protege contra surtos, hospitalizações, sequelas, tratamentos de reabilitação e óbitos. Se não conseguirmos reverter essa situação será muito complicado, pois poderemos ter novas endemias nos próximos anos, como já está acontecendo com o sarampo”, completa

Multivacinação

Júlia Maísa aponta que, embora a campanha atual de multivacinação tenha como foco as crianças e os adolescentes até 15 anos, algumas vacinas são indicadas também para os adultos e idosos. “É possível atualizar as doses para a população em geral, protegendo toda a família. E, mesmo quem está sendo imunizado contra a Covid-19, pode tomar as outras vacinas, não há nenhuma contraindicação para isso”, aponta.

A responsável técnica da Semear esclarece que o único intervalo específico que precisa ser observado é entre as vacinas virais, ou seja, que contenham o vírus vivo. “Se eu tomei, por exemplo, a da febre amarela e não foi possível fazer a do sarampo, caxumba e rubéola no mesmo dia, aí é preciso aguardar pelo menos 30 dias entre uma e outra. Contudo, não há problema se forem aplicadas no mesmo dia”, orienta. “Para as vacinas inativadas, podemos realizar no dia seguinte, uma semana depois, não tem um intervalo determinado. A única recomendação para os pais é que, se a criança estiver com alguma reação referente àquela vacina que ela tomou, que esperem esses sintomas passarem para só depois aplicar uma outra vacina”, acrescenta Júlia.

De olho nas reações

Para os pais que se preocupam com as possíveis reações, a especialista diz que é importante monitorar as crianças nos primeiros dias após a aplicação, mas manter a tranquilidade. “As ocorrências mais comuns são febre alta – que pode ser contida com a medicação normalmente indicada pelo pediatra nesses casos – e dor no local da picada, que é bastante reduzida com o uso de compressas frias nesta região”.

Júlia Maísa informa que, dentro do calendário da multivacinação, algumas vacinas disponíveis na rede particular trazem novas tecnologias e benefícios, então, é importante que os pais avaliem as vantagens. “Como exemplo, a pentavalente que utilizamos na clínica, que previne contra difteria, tétano e coqueluche, é inativada, ou seja, é de vírus morto, dando muito menos reação. A vacina pneumocócica 10 valente, contra pneumonias, aqui é 13 valente, ou seja, tem três sorotipos a mais, com uma proteção maior. A VRH previne cinco tipos de rotavírus, e a Hexavalente contém a pentavalente – contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo B – e também a pólio, então, é uma picadinha a menos para a criança, além de ser igualmente inativada”, enumera. “Em alguns casos, vale a pena investir nessas vacinas com tecnologia de ponta para garantir proteção mais eficaz e bem-estar”, afirma.

Estruturada de acordo com as normas da vigilância sanitária, com sala climatizada e câmara de conservação exclusiva para as vacinas – monitorada através de sistema de segurança e contingência 24/7 para situações de pane ou falta de energia – a Semear acredita na importância da imunização para a sociedade, contribuindo para o desenvolvimento e a melhoria da qualidade de vida de adultos e crianças. Ao entregar produtos e serviços de alta qualidade, a clínica é referência em cuidados para saúde e contribui diretamente para o controle de doenças imunopreveníveis.

Com ética, segurança, responsabilidade, respeito e transparência, a Semear atua com campanhas complexas de vacinação corporativa nas empresas em todo o território nacional, vacinação domiciliar e vacinas específicas para todas as faixas etárias do calendário vacinal – incluindo o trabalho exclusivo de um profissional formado em artes cênicas e especializado em psicologia infantil, que, durante o gesto vacinal (realizado pelo responsável técnico), interage e diverte as crianças, transformando o momento em uma experiência lúdica e humanizada, através de técnicas de teatro e recreação para tranquilizar os pequenos e minimizando traumas futuros.

 

Foto: Imunização de criança na clínica de Vacinas Semear Imunizações.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Facebook
Twitter
LinkedIn