ESTRESSE É A TERCEIRA CAUSA DE AFASTAMENTO DAS EMPRESAS

No Brasil, o estresse já é a terceira causa de afastamentos com mais de 15 dias nas empresas. As estatísticas e indicadores demonstram que em 2020 os transtornos mentais devem ser a principal causa de afastamentos. Pensando nisso, o Programa Trabalho Seguro, criado em 2011 pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), escolheu o tema “Transtornos mentaisEngenheira de segurança do trabalho, Marcia Ramazzini. Foto Flávio Oliveira (21) relacionados ao trabalho” para discussão no biênio 2016/2018.

A Engenheira de Segurança do Trabalho, Marcia Ramazzini, afirma que o estresse é uma preocupação mundial. “A Organização Internacional do Trabalho (OIT) adotou em 2016, o estresse como tema. Aqui no Brasil nós temos o programa trabalho seguro do Tribunal Superior do Trabalho, que adotou os transtornos mentais relacionados ao trabalho, que é o estresse”, diz.

Para Marcia Ramazzini a situação econômica está causando um estresse muito mais acentuado devido ao alto índice de demissões gerando uma instabilidade emocional para quem continua no mercado de trabalho. Ela destaca que a relação do RH tem que ser muito boa e aberta. “Os funcionários tem que saber o que está acontecendo na empresa e as dificuldades que a empresa está passando para não serem pegos de surpresa. Com relação à produção, o estresse gera o acidente porque a pessoa tende a ficar mais distraída, tende a ficar mais depressiva e muda totalmente o comportamento”, comenta.

A especialista afirma que o estresse consiste em um conjunto de perturbações que caracterizam o desequilíbrio físico e psíquico. Esse problema altera o cotidiano da pessoa em todos os sentidos, abalando o relacionamento com os colegas de trabalho, desempenho das atividades e, consequentemente, a produção na empresa.

Marcia Ramazzini explica que é muito importante que as empresas numa situação como essa é importante identificar a origem do problema que ocasionou o estresse. “É preciso saber a origem do problema. Se o estresse é em função de problemas pessoais, que é o que nós chamamos de nexo causal, que é o problema raiz. Quando uma pessoa é identificada com estresse aí já passa a ter um acompanhamento maior do médico da empresa e da psicóloga para saber de onde veio para trabalhar esse problema, se precisa afastar e o que se deve fazer. Tem todo um acompanhamento com medicamentos”, detalha.

Na avaliação de Marcia Ramazzini o índice de afastamento de funcionários com estresse tende a aumentar. Segundo a perita tem sido registrado um aumento dos casos de estresse nas empresas. Ela diz ainda que o estresse pode ser classificado em dois tipos.  O estresse ocupacional é geralmente de ordem organizacional, como conflitos com a chefia, responsabilidades mal delegadas, trabalho monótono ou repetitivo, entre outras atitudes vivenciadas dentro da empresa. Já o estresse não ocupacional é causado por fatores externos, tais como a morte de um ente querido, separação, problemas financeiros ou com os filhos, abusos físicos ou sexuais, brigas, entre outros que acontecem fora do ambiente de trabalho, mas que interferem no desempenho do funcionário durante a jornada.

Casos  de estresse afetam tanto o colaborador quanto a empresa, pois em casos de afastamentos a empresa fica, por um tempo, sem o funcionário treinado para a função. “No primeiro momento, o chefe precisa identificar, treinar e habilitar um colaborador que cubra as tarefas. Isso irá demandar tempo”, explica a engenheira.

O funcionário que está sofrendo com essas perturbações demonstra por meio de sintomas fisiológicos, como úlceras, gastrites, gastroenterites e aumento da pressão arterial. Agressividade, frustração e baixa autoestima também são consequências que se apresentam como sintomas psicológicos, assim como baixo desempenho, absenteísmo, presenteísmo e danos intencionais também são resultados de algum tipo de estresse e caracterizam os sintomas de aspecto comportamental. “As empresas devem começar a se preocupar e adotar programas específicos lembrando que é de nossa responsabilidade manter a integridade física e mental dos funcionários. Estamos cada vez mais ensimesmados, muitas vezes não sabemos quem está ao nosso lado. Olhamos a nossa volta e não enxergamos o que está acontecendo ao nosso redor, é aí que mora o problema. Acidente é comportamento e se faz com prevenção”, finaliza a especialista.

 

Foto: Engenheira de segurança o trabalho, Marcia Ramazzini.

Crédito: Flavio Oliveira

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn