GRUPO ECO&ECO DESENVOLVE PROJETOS AMBIENTAIS E SUSTENTÁVEIS

O Grupo Eco&Eco de Campinas (SP) é uma empresa que desenvolve projetos de turismo sustentável com foco no turismo ecológico e no turismo de aventura. Além disso, a empresaOK_tirolesa_Divulgação (1) (1) presta assessoria ambiental e execução de projetos com foco no desenvolvimento turístico e econômico para várias cidades brasileiras com soluções inovadoras e sustentáveis para as demandas e necessidades nos âmbitos ambientais, sociais e econômicos.

O CEO do Grupo Eco&Eco, Wilson Miguel, disse que as atividades da empresa começaram em 2001 com a instalação do primeiro parque de aventura na cidade de Brotas onde as pessoas da região de Campinas visitavam o parque  para praticar atividades de aventura. “Começamos a realizar um trabalho de consultoria mostrando como seria possível transformar áreas ecológicas e áreas ambientais, que não eram monetizadas em locais que pudessem ser explorados de maneira comercial e ao mesmo tempo mantendo um cunho de preservação. Assim começaram a surgir vários projetos no interior do Estado de São Paulo e expandindo a área de atuação. Hoje temos clientes em 24 Estados do Brasil. Iniciamos essa parte de turismo ecológico desenvolvendo tirolesas, na qual as pessoas deslizavam por dois cabos de aço no meio do mato”, diz.

O Grupo Eco&Eco implantou o primeiro circuito de arvorismo montado de maneira natural em árvores localizadas no sítio Sete Quedas em Brotas. Desenvolveu também o  projeto e implantação de estrutura de atividades ecológicas e de turismo de aventura na Fazenda Belmonte em Campinas.

O Grupo Eco&Eco participou também do CB 54 – Grupo de Estudo liderado e gerenciado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e Ministério do Turismo para desenvolvimento das normas de regulamentação para prática de Turismo de Aventura e Eco Turismo no Brasil. “Isso foi um grande avanço para o setor. Hoje nós temos 19 normas que regulamentam as atividades de turismo de aventura e são convergentes também com outras normas existentes na parte de construção e infraestrutura. Todo projeto deve estar seguindo essas normas para garantir segurança e conforto para as pOK_Tirolesa_Divulgação (2) (1)essoas”, explica.

Um estudo do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas da Universidade Federal de Lavras em Minas Gerais, revelou que cerca de 1,3 milhão de animais são atropelados por dia, apenas nas estradas federais. Este cenário agrava o risco de extinção de algumas espécies.

O Grupo Eco&Eco desenvolve também projetos de passagens de fauna, estruturas montadas para fazer a ligação entre os dois fragmentos de vegetação, possibilitando aos animais um trânsito seguro entre as duas áreas e visando reduzir os impactos negativos gerados por construções em regiões de fauna. O Grupo Eco&Eco, desenvolveu esse projeto em São Paulo, atendendo uma exigência da Secretaria do Verde. Uma passagem suspensa entre o Sítio Anhanguera e a Reserva Mutinga trouxe mobilidade para saguis e esquilos. Na Bahia, num trecho da Rodovia BA-099, conhecida como Estrada do Coco, foram implantadas cinco passagens suspensas, beneficiando diversas espécies arborícolas, entre elaDSC_0685s a preguiça de coleira, animal ameaçado de extinção. “As estruturas são criadas a partir de uma análise ambiental, visando atender as reais necessidades de cada espécie, de modo que se integrem ao ambiente e sejam utilizados pelos animais naturalmente”, explica.

Já no Rio de Janeiro a empresa foi quem elaborou o projeto e instalação da infraestrutura de passagem suspensa de fauna silvestre no trecho da via expressa Ligação Transolímpica, mais especificamente na área do Centro de Formação e Aperfeiçoamento da Polícia Militar (CFAP). Os serviços de projeto e execução  foram realizados de 2 maio a 16 de junho.

O projeto mais recente do Grupo Eco&Eco é de assessoria e planejamento turístico na cidade de Itá, no oeste de Santa Catarina. O município com 6.300 habitantes quer se transformar como opção de ponto turístico para a região sudeste. Foi implantada na cidade uma tirolesa de 1.780 metros de extensão e 80 metros de altura. No final de maio, a empresa inaugurou o primeiro bonde funicular produzido 100% no Brasil ligando a parte alta à baixa da cidade.

Fotos 1 e 2 – A terceira maior tirolesa da América do Sul com 1.780 metros de comprimento e 80 metros de altura na cidade de Itá, n oeste de Santa Catarina.

Foto 3 – Escritório do Grupo Eco&Eco em Campinas

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

CPFL SE MOBILIZA PARA MIGRAR CLIENTES INTERESSADOS NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA

O Mercado Livre de Energia é um ambiente competitivo de negociação de energia elétrica. Nele, …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn