PESQUISA INÉDITA DO SINDUSCON-SP E FALCONI APRESENTA DESAFIOS EM GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL

Pesquisa inédita realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e pela Falconi mostra que desenvolvimento de lideranças, atração, retenção, contratação e capacitação de profissionais são os maiores desafios notados pelas áreas de Recursos Humanos das empresas da indústria da construção.

O estudo reuniu 123 companhias de diferentes tamanhos e naturezas de mão de obra operacional, com modelos de trabalhos tanto híbridos quanto presenciais de todo o Estado de São Paulo. O vice-presidente da Falconi para soluções de Gestão de Pessoas, Fernando Ladeira, orgulha-se da parceria criada entre o Sinduscon-SP e a consultoria. “Este é um trabalho inédito no segmento. Temos excelentes expectativas de que seja um instrumento para ajudar as áreas de gestão de pessoas a serem de fato estratégicas. Nós sabemos da importância de melhorar essa visão, e essa é a nossa contribuição”, afirma.

O presidente do SindusCon-SP, Yorki Estefan, entende que a realização profissional é indispensável para a autoestima dos trabalhadores, para a qualidade das obras e para o aumento da produtividade. Na percepção do coordenador do Grupo de Trabalho Recursos Humanos (GTRH) do Comitê de Tecnologia e Qualidade (CTQ) do SindusCon-SP, David Fratel, a análise dessas informações tem como principal objetivo propor ações para enfrentar a escassez de mão de obra na indústria da construção. “Não existia ainda um panorama das práticas de gestão de pessoas na indústria da construção, com ênfase em engajamento e retenção. Por isso, coletar e identificar as características gerais da empresa, fazer a análise de indicadores (turnover, absenteísmo, acidentes de trabalho etc.) e ter um diagnóstico da jornada do colaborador trazem uma importante ferramenta de trabalho para todos aqueles que fazem parte da cadeia do setor”, afirma Marcela Rittes, coordenadora da pesquisa e integrante do GTRH do CTQ.

O coordenador do CTQ do SindusCon-SP, Rodrigo Fairbanks von Uhlendorff, afirma que o estudo é um primeiro passo no sentido de olhar atentamente pontos importantes, mapear e acompanhar como o setor se desenvolve e aperfeiçoa as relações com os seus colaboradores. “Mapeamos as iniciativas dos departamentos de RH das construtoras em prol daqueles que estão na linha de frente e na parte administrativa, fizemos um raio X das operações, do que já é realizado e do que pode ser melhorado nessa relação”, diz.

Quase metade dos respondentes aponta o desenvolvimento de líderes e a capacitação como principais desafios do segmento na área de RH. O dado é corroborado ao avaliar que 45% deles garantem aplicar trilhas de desenvolvimento e 48% realizam programas para formação de lideranças. A pesquisa buscou entender quais os principais pontos de melhoria observados pelos gestores de RH e a capacitação apareceu no topo do ranking, com 16%, seguido por carreira e pelo par remuneração e benefícios, com 10% cada.

Já clima empresarial (12%), cultura (9%) e cuidar de gente (7%), surgem como pontos mais positivos. São três temas intrinsecamente ligados a integração e ao bem-estar dos colaboradores em uma companhia. Nesse cenário, 73% das companhias garantem que treinamentos de integração para novos funcionários fazem parte da rotina das empresas. “Uma experiência positiva na ambientação para receber e integrar novos colaboradores resulta em mais engajamento, em maior retenção para novos funcionários, em mais velocidade no ganho de produtividade e em maior aprendizagem”, detalha Ladeira.

Oportunidade para maior uso de dados

Quando perguntados sobre como a área de gestão de pessoas é vista pela empresa, 26% responderam que a consideram um setor estratégico, enquanto 74% a avaliam apenas como departamento pessoal ou de suporte. Sete a cada dez organizações disseram não fazer acompanhamento de indicadores de gestão de pessoas, sendo que 33% ainda não fazem a coleta dos dados. Hoje, 4% dizem que os dados são aplicados e utilizados para responder perguntas por meio de modelos estatísticos e/ou matemáticos pontuais. “Acreditamos que esse estudo pode ajudar a transformar para melhor a maneira como são geridos os times e as organizações do setor da construção civil”, reforça Ladeira.

Perguntadas sobre seu percentual de absenteísmo (porcentagem de faltas ao trabalho, justificadas ou não, em relação ao total dos colaboradores), 54% das empresas disseram ser de até 2% ao mês, enquanto 21% registraram índices acima de 7% ao mês. Entre as causas, saúde física (36%) e questões familiares (19%) foram as mais apontadas. Porém, uma a cada quatro empresas não mapeia o processo e 15% dos casos são injustificados.

Além disso, 15% das companhias respondentes possuem turnover voluntário (quando o desligamento é decisão do colaborador), maior que 6% ao mês, o que significa uma rotatividade de cerca de 72% da mão de obra ao ano. Já em relação ao turnover involuntário (iniciativa de desligamento parte da empresa), a mesma rotatividade, de 72%, está presente em 20% das organizações. Oportunidades de mercado, remuneração e carreira são 75% dos motivos de turnover voluntário, enquanto o desempenho profissional é causa de praticamente metade dos desligamentos involuntários (46%).

Questionadas sobre práticas de controle para turnover, uma a cada três empresas dizem ainda não ter iniciativas, enquanto 5% revelam ter um plano estruturado para isso. Segundo Ladeira, a gestão de indicadores é essencial para se ter dimensão de possíveis problemas, conhecer o impacto e principais fatores correlacionados. “Essa gestão dá suporte à construção de um bom plano de ação e à atuação estratégica do RH. Medir o indicador de turnover é importante e, de forma geral, relativamente simples de se iniciar, mesmo que com o uso de ferramentas menos complexas”, afirma o VP da Falconi.

O vice-presidente da Falconi para soluções de Gestão de Pessoas, Fernando Ladeira comenta sobre os resultados sobre o reconhecimento e a promoção de funcionários. “Processos de avaliação de desempenho e de recompensa e critérios de promoção são essenciais para desenvolver os times e reconhecê-los de forma transparente e coerente. Os números levantados demonstram que há um bom espaço para que as empresas do segmento trabalhem para avançarem em seus processos de pessoas”, explica Ladeira.

O executivo destaca ainda a importância da pesquisa para a transformação do segmento. “Esses dados podem ser utilizados como benchmarking, para o direcionamento de boas práticas e como termômetro de onde existem oportunidades. Foi dado um primeiro e grande passo. A intenção é que a pesquisa seja recorrente, uma fonte de informações, e que se torne cada vez mais rica a partir dos aprendizados gerados na primeira edição”, destaca.

A Falconi é a maior consultoria brasileira de gestão empresarial e de pessoas. A atuação é marcada pelo uso de tecnologia de ponta e inteligência de dados de forma a acelerar a geração de valor sustentável para seus clientes. Com mais de 6 mil projetos realizados em cerca de 40 países, atua em 50 segmentos da economia, diferenciando-se pela reconhecida capacidade de implementação de projetos a nível estratégico (estratégia, modelo de negócios e estrutura organizacional), tático (implementação e alinhamento de processos e metas) e operacional (alinhamento e acompanhamento de operações).

Faz parte do Grupo Falconi, que inclui marcas em segmentos como desenvolvimento de pessoas para o trabalho do futuro, editorial, investimentos privados e softwares e aplicativos para gestão, além de ter ampliado o escopo da consultoria para atender, com estrutura especializada, empresas de médio porte. A Falconi conta com cerca de 1 mil talentos, espalhados por quatro continentes, e escritórios no Brasil e Estados Unidos.

A Falconi possui uma unidade de negócio especializada em Gestão de Pessoas, com soluções em todos os subsistemas de RH, trazendo soluções como redução de turnover, melhoria de engajamento, cultura e desenvolvimento de lideranças, entre outros.

SindusCon-SP é a maior associação de empresas da indústria da construção na América Latina. Congrega construtoras associadas e representa as cerca de 50 mil empresas de construção residencial, industrial, comercial, obras de infraestrutura e habitação popular localizadas no Estado de São Paulo. Tem sede na capital paulista e representações em nove regionais e uma delegacia nas principais cidades do interior. A construção paulista representa 27,6% da construção brasileira, que por sua vez equivale a 4% do PIB do país.

 

Foto 1 – Presidente do SindusCon-SP, Yorki Estefan, durante a apresentação da pesquisa Gestão de Pessoas.

Foto 2 – Apresentação da pesquisa Gestão de Pessoas.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

RECORDE DE DEMISSÕES VOLUNTÁRIAS E VALORIZAÇÃO DE BENEFÍCIOS FLEXÍVEIS PELAS GEN Z E Y

Em 2023, o Brasil testemunhou um recorde de demissões voluntárias, resultando em mais de 7,3 …

Facebook
Twitter
LinkedIn