TERAPEUTA E DENTISTA SE UNEM PARA CRIAR EVENTOS QUE DEBATEM A INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS

O último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que no Brasil existem 45 milhões de Pessoas com Deficiência (PCDs), o equivalente a 24% do total de habitantes do país. Apesar dos inegáveis avanços dos últimos anos, o mercado de trabalho e a inclusão das PCDs precisa ampliar muito e gerar oportunidades para que essas pessoas sejam efetivamente inclusas. Pensando nos desafios deste vasto campo de atuação, a terapeuta ocupacional Raquel Ortega, que atua há 22 anos na área da saúde mental, entre Neurologia e Psiquiatria e Matheus Racy Mariusso, cirurgião-dentista, especialista no atendimento multidisciplinar na primeira infância e pessoas com deficiências, se uniram para idealizar um projeto contínuo, no formato de eventos, que tem como objetivo compartilhar com as famílias, profissionais da saúde e sociedade, aspectos que envolvem a garantia dos direitos, deveres e, principalmente, o desenvolvimento das pessoas com deficiência.

O pontapé inicial foi dado alertando para os desafios que envolvem as pessoas com Síndrome de Down que, dentro do Censo do IBGE, representa 300 mil no país e estima-se que são aproximadamente 30 mil na região de Campinas. O evento será no próximo sábado, dia 21 de setembro,chamado de I Jornada Multidisciplinar de Síndrome de Down. “A nossa proposta é criar um calendário anual que conectem essa família com os profissionais da saúde. Por meio de cases bastante inspiradores, conseguiremos mostrar que uma vida social bastante ativa é possível, basta ter as orientações e acompanhamentos certos”, explica Raquel Ortega.

É o caso de Rafael Atkinson Carvalho, que além de Síndrome de Down, fez um tratamento intensivo para tratar de um caso raro de lábio leporino. Aos 23 anos, ele coleciona exemplos de superação. É palestrante, ator na Companhia de Teatro Inclusione e coordenador do Maravilha Máxxima, movimento de empreendedorismo social, sem fins lucrativos, para promoção efetiva de ações e projetos de inclusão de pessoas com deficiência intelectual. Seu pai, Maurício Carvalho é idealizador e coordenador do movimento Maravilha Máxxima, idealizador e coorganizador dos projetos de culinária inclusiva Feijoadown, feijoada com tempero de inclusão; Sertanejown, no ritmo da inclusão; Cucina Felice, a inclusão é massa; Inclua Café e do curso Foto Inclusão.

Recentemente, Rafael entrou para o RankBrasil pelo recorde de ser a primeira pessoa com Síndrome de Down a concluir a Corrida Internacional de São Silvestre. Participou da prova em 31 de dezembro de 2017, na época com 21 anos de idade. Natural e residente na cidade de Valinhos (SP), o recordista conta que a ideia de correr a São Silvestre partiu de seu pai Maurício Carvalho. “Superamos a prova juntos, tivemos muita força e mesmo com a sensação física de dor muscular intensa! ”, lembra.

De acordo com ele, o maior obstáculo para participar de corridas de grandes distâncias é o que a família e a sociedade impõem, por acharem que pessoas com Síndrome de Down não têm capacidade e nem força para vencer desafios. “Não sou atleta, mas procuro fazer atividades físicas e dar visibilidade à causa da inclusão. Disseram que eu seria igual às outras pessoas com a síndrome, que não iria andar e não viveria muito. Estou provando o contrário”, afirma.

Segundo ele, a maior importância da conquista deste recorde é mostrar de uma vez por todas que um diagnóstico não define uma pessoa. “É um incentivo para que todos enxerguem que nós temos capacidade e podemos fazer tudo o que queremos, no nosso tempo. É só nos ensinar e estimular”, diz.  Antes da São Silvestre, o recordista nunca havia participado de competições de corrida. “Gosto de caminhadas. Nesta modalidade já participei nas provas do Hospitalhaços e da Integração, ambas realizadas na cidade de Campinas (SP).

Outro exemplo inspirador é o de Giovana Marcondes, de 23 anos, atualmente cursando ensino médio (EJA) e formada em Massoterapia. Trabalhou na Drogasil, fez estágio na Bosch e atualmente trabalha na COAB, assessorando a secretaria da diretoria e da presidência. Como hobby, toca flauta, teclado e xilofone. Atualmente faz aulas de teatro na Inclusione e participa de grupos de habilidade social na Fundação Síndrome de Down onde, inclusive, trabalha como recepcionista na Mostra Sustentável, evento de decoração que está em andamento em Campinas. Namora Daniel, que também tem a Síndrome de Down e planejam no futuro se casar.

Para o cirurgião-dentista Matheus Racy Mariusso, levar o aprendizado do consultório para as famílias, outros profissionais da saúde e sociedade, é o que fará com que o conhecimento e inclusão que temos hoje avancem mais rapidamente. “Teremos sempre uma intensa agenda de programação e queremos que as empresas, profissionais da saúde, institutos de pesquisas, entidades e associações venham fazer parte dessa ação que busca transformar para melhor a vida das PCDs e seus familiares”, finaliza Matheus.

Para os interessados, a I Jornada Multidisciplinar de Síndrome de Down acontece no próximo sábado (21/09), das 8h às 18h, no Hotel Nacional Inn, na avenida Benedito de Campos, 35, no Jardim do Trevo, em Campinas. Mais informações pelo e-mail: [email protected] pelo celular:  (19) 98120-9039.

 

Foto 1 – Equipe da Jornada Multidisciplinar de Síndrome de Down.

Foto 2 – Rafael Atkinson Carvalho.

Foto 3 – Giovana Marcondes.

Crédito: Divulgação.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

HORTOLÂNDIA VOLTA A GERAR EMPREGO E RENDA COM A CHEGADA DE NOVAS EMPRESAS

Hortolândia (SP) continua a mostrar sinais de que a retomada do crescimento econômico segue a …

Facebook
Twitter
LinkedIn