TURMA DO PROJETO ATHENA TEM 100% DE APROVAÇÃO EM PROCESSO SELETIVO DA FAETEC

É difícil dimensionar o poder de transformação de projetos sociais voltados para a educação na vida de alunos, mas às vezes o impacto é tão grande que salta aos olhos. E então é possível enxergar como é essencial o trabalho de quem identifica e estimula crianças com potencial para superar, com sua incomum capacidade de aprendizado, todas as adversidades que brotam em locais onde a educação desafia a cada dia.

Um bom exemplo disso foi aprovação de 100% dos alunos de uma turma do Projeto Athena na prova da FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica) do Rio de Janeiro. Desenvolvido pelo Instituto Sabendo Mais, o Athena seleciona alunos de 9 a 11 anos com altas habilidades nas escolas municipais do Complexo da Maré e adjacências, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

O projeto, que funciona no Espaço iSSO (Instituto Social Sotreq), acelera o aprendizado de português e matemática dos alunos superdotados no período do contraturno escolar e amplia o conhecimento em outras áreas. Depois de dois anos, os alunos participam de processos de admissão em escolas de referência. E foi assim que uma das turmas financiadas pelo iSSO em 2020 e 2021 teve todos seus alunos aprovados na FAETEC. “Os alunos se adaptam muito bem ao programa, tendo oportunidades de se encontrar e trocar experiências com seus pares intelectuais. Eles são preparados para concursos públicos de entrada em escolas de excelência que existem na cidade, como o Colégio Pedro II, a FAETEC e o Colégio de Aplicação da UERJ, que são extremamente competitivos. Além de terem aulas com esses conteúdos, os alunos participam de atividades transdisciplinares que envolvem geografia, história, arte e outros assuntos, que enriquecem os seus conhecimentos e os preparam para a etapa de redação dos concursos”, explica Maria Clara Sodré, doutora em educação de superdotados e supervisora e avaliadora do Projeto Athena.

A equipe do Instituto Sabendo Mais trabalha com crianças e jovens superdotados há muito tempo e ainda assim se impressionou com o desempenho dos alunos da Maré e adjacências. “Cada grupo novo de alunos é uma caixinha de surpresas. Este ano, mais do que nunca, nos preocupou muito, pois com a pandemia de Covid os alunos praticamente só tiveram aulas on-line. Por isso, o sucesso foi realmente extraordinário”, elogia Maria Clara.

Dois alunos da turma acertaram 100% das questões de matemática e de português e outros sete gabaritaram pelo menos uma dessas provas. “Isto indica quão bem-preparados e quão bons eles são”, enaltece Maria Clara.

A especialista conta que crianças superdotadas têm direito reconhecido a uma educação diferenciada desde os anos 70, mas o Brasil está muito distante desse cenário. “Esta não é a realidade nem para alunos de classes afluentes, quem dirá para os oriundos de classes menos favorecidas economicamente. A importância do atendimento desses estudantes é apontada desde os Estados Unidos, passando pela Europa e Israel, chegando ao Extremo Oriente. Isto deveria nos informar da necessidade de atendimento a esses alunos”, destaca a supervisora do Projeto Athena.

Outro aspecto importante do trabalho é a busca por crianças de altas habilidades ainda na infância, no início de sua vida escolar. Isso impede que o potencial seja desperdiçado pela falta de oportunidades de desenvolvimento. “Para se enturmar e ser bem aceita por professores e colegas, muitas vezes a criança não deixa transparecer sua habilidade superior quando entra no ensino formal. Por não ter desafios intelectuais, por muitas vezes já saber o que o professor vai ensinar, ela se desinteressa e aos poucos as potencialidades se perdem. É como uma criança que desde pequena tem uma habilidade motora superior, mas que é obrigada a sentar o dia todo, sem exercitar a sua habilidade. Dificilmente será um grande atleta se começar a se exercitar aos 18 ou 20 anos. O aluno com potencial acadêmico superior tem que ter oportunidades especiais durante a sua escolaridade”, compara Maria Clara.

Responsabilidade social

A Sotreq, através do iSSO, fornece e mantém todo o espaço físico usado pelo projeto social (área de 214 metros quadrados, com duas salas de aula, sala de informática, sala administrativa, copa e banheiros) e financiou a turma que teve aprovação de 100% no teste da FAETEC. Em 2022, há uma nova turma iniciando no Athena, que se juntou a mais uma apoiada por outro financiador. O Projeto funciona com duas turmas.   “A FAETEC é uma escola excelente, que seleciona seus alunos dentre grupos muito grandes de inscritos. Isto significa a abertura de infinitas portas nas vidas dessas crianças, tanto na formação pessoal quanto na profissional”, afirma Maria Clara.

A Sotreq é a maior provedora de soluções Cat® do Brasil, onde atua do Sudeste ao Norte com mais de 50 filiais para oferecer suporte completo em peças, serviços, contratos e tecnologia para equipamentos. Dentre suas soluções, destaca-se o SotreqLink, uma plataforma de relacionamento que integra a experiência do cliente às tecnologias disponíveis em equipamentos e serviços digitais. Atende aos segmentos de mercado de Construção, Mineração, Florestal, Agronegócio, Energia e Petróleo & Marítimo com uma equipe técnica altamente qualificada.

 

Foto 1 – Maria Clara Sodré, doutora em educação de superdotados e supervisora e avaliadora do Projeto Athena.

Fotos 2 e 3 – Alunos atendidos pelo Projeto Athena.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

TEGRA LANÇA EMPREENDIMENTO FAMILIAR EM REGIÃO PRIVILEGIADA DE CAMPINAS

A Chácara da Barra, em Campinas (SP) vai receber um novo empreendimento da Tegra voltado …

Facebook
Twitter
LinkedIn