COMÉRCIO VAREJISTA REGISTRA QUEDA NAS VENDAS EM CAMPINAS E REGIÃO

As vendas do comércio varejista de Campinas (SP) tiveram uma redução de 2,82% em dezembro do ano passado em relação a 2015. No ano de 2016, as perdas no comércio chegaram a 4,53% quando comparado ao ano anterior. As vendas de natal ficaram 2,5% menores em relação a 2015. Os números foram divulgados pela Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC). Na avaliação do diretor de economia da Acic, Laerte Martins, a queda nas vendas de natal é reflexo da má situação econômica pela qual passa o Brasil e sem perspectiva de recuperação a curto prazo. “Em Campinas verifica-se uma forte procura nas vendas à vista da ordem de 7,82%. Já as vendas a prazo apresentaram uma redução de 14,1%, o que influenciou em vendas menores em dezeLojistas e donos de pequenas empresas do varejo de Sumaré, na Região Metropolitana de Campinas, poderão conhecer a Loja Modelo do Sebrae-SP e os novos conceitos para empreendimentos do comércio varejista. Na foto: Reginaldo Oliveira e Carla Cozer, ambos analistas do SEBRAE Campinas orientam a população dentro da carreta. Data: 07/05/2015. Local: Sumaré/SP. Foto: Antonio Trivelin/A2imgmbro, em Campinas”, diz.

O faturamento das vendas no mês de dezembro de 2016 chegou a R$ 2.44 bilhões, atingindo no acumulado do ano, de janeiro a dezembro, R$ 14,83 bilhões, uma queda de 2,89% em relação ao mesmo período de 2015. “A inadimplência, apesar da forte exclusão de registros negativos em dezembro, acabou se reduzindo em 3,08% no ano, com 215.174 boletos e carnês vencidos e não pagos a mais de 30 dias, que representam cerca de R$ 154,9 milhões em endividamento em 2016”, destaca.

Na Região Metropolitana de Campinas (RMC) as vendas no varejo tiveram uma queda de 2,77%, de janeiro a dezembro de 2016. O faturamento ficou em R$ 35, 46 bilhões abaixo dos R$ 36,47 bilhões movimentados em igual período de 2015. “A inadimplência apresentou uma elevação de 3,09% no acumulado do ano de 2016, com 512.319 carnês e boletos não pagos e vencidos a mais de 30 dias, que representam R$ 368,9 milhões em endividamento, na RMC, no ano de 2016”, comenta.

Segundo Laerte Martins, o comércio varejista fechou mais um ano negativo de vendas em Campinas e região. “A perspectiva para 2017 continua nebulosa frente à estagnação nos principais indicadores econômicos como PIB, desemprego e investimentos. Destaca-se, no entanto, que os juros e a inflação começaram uma redução que podem melhorar a situação econômica até o 2º semestre de 2017”, concluiu Martins.

Para zerar o estoque de produtos do ano passado, os comerciantes de Campinas estão investindo em liquidações como forma de recuperar também as perdas registradas nas vendas de natal. A queda nos juros e uma tímida recuperação no crédito podem representar ainda uma perspectiva pequena de melhora nos negócios. Muitos comerciantes apontam que o consumidor só está comprando o estritamente necessário e de preferência pagando a vista para não fazer dívidas prolongadas.

Foto: Comércio em Campinas

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA DEVE ACELERAR INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO

A escassez de mão de obra qualificada deverá persistir e acelerar em alguma medida a …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn