ESPECIALISTA APONTA FÔLEGO NOVO PARA EMPRESAS FAMILIARES EM 2024

Em 2024, as empresas familiares enfrentam desafios e oportunidades únicas. Adriano Galvão, sócio da AGV Gestão, observou que a resiliência e adaptação demonstradas pelas corporações no último ano influenciam positivamente a confiança empresarial, criando uma base sólida para enfrentar os desafios e explorar oportunidades em 2024.

Entre as principais tendências econômicas para as empresas neste ano, Galvão avalia que o ganho de eficiência operacional, aliado a planejamentos integrados, são os fundamentos clássicos de gestão a se implementar e/ou aperfeiçoar em uma organização. E se for sustentado por uma boa capacidade de execução, serão a tônica para o fortalecimento e crescimento das empresas, ainda mais se considerarmos as incertezas de mercado.

Outra dimensão importante na construção de bases sólidas para as organizações são os processos de Transformação Digital (TD) e Inovação, porém tratados e orientados de forma pragmática e objetiva nas empresas. Ainda que seja necessário o desenvolvimento de uma cultura de inovação e que as ações de Transformação Digital devam ser “patrocinadas” pela alta-gestão, se não houver um norte claro e se a materialização das iniciativas não trouxer resultados palpáveis no médio-prazo, elas perderão a força e não trarão as vantagens competitivas que têm condições de gerar.

Outro fator importante para 2024 – considerando os cenários econômico e político internacional, as especulações frente à reforma tributária e a instabilidade nos rumos da política econômica do Brasil – é que os empresários se atentem para a gestão do caixa. Ainda que as organizações tenham bons planos orçamentários, estruturas de custo e boa visão de investimento, se a gestão financeira não for orientada e se não houver a capacidade de gerar e/ou preservar o caixa, gera-se uma fragilidade na organização que pode trazer consequências duras para o negócio.

Ele não pode deixar de lembrar que a pandemia destacou a importância de cadeias de suprimentos resilientes. De acordo com Galvão, empresas que investirem em diversificação e flexibilidade estarão mais preparadas para enfrentar interrupções.

Desafios e oportunidades

Galvão identifica setores com desafios e oportunidades específicas. Para a indústria automotiva que enfrenta escassez de produtos, parcerias estratégicas são vistas como cruciais.

A volatilidade das commodities e as instabilidades políticas globais são fatores críticos a serem monitorados. Galvão enfatiza a importância de relações comerciais diversificadas para mitigar riscos. “A situação geopolítica atual pode afetar o comércio internacional e as relações comerciais. Empresas devem diversificar mercados e considerar a resiliência em suas operações globais”, alerta.

Ainda falando de expansão e crescimento, apesar de toda instabilidade, esses cenários internos ou mesmo os globais geram oportunidades para as empresas e investidores que querem gerar riquezas: mercado imobiliário tendendo a retomar seu crescimento fortalecido pelo apetite do governo a incentivar esse setor, a indústria de bens de consumo de alto giro (alimentos, bebidas, vestuário etc) poderão gerar novos horizontes quanto a comercialização no mercado interno e também externo. “Para navegar nas mudanças econômicas, é essencial uma transformação na gestão”, destaca Galvão. Isso envolve a revisão de estratégias, investimento na equipe e flexibilidade financeira, como foco em capital de giro e alternativas de captação de recursos para suportar o crescimento (Project Finance, M&A etc). A Inteligência Artificial e a automação também surgem como aliados poderosos para impulsionar a eficiência empresarial.

Para se adaptar a um ambiente econômico em constante mudança, Galvão destaca prioridades claras como agilidade nas adequações, abordagem personalizada para cada cliente e acompanhamento das mudanças regulatórias locais.

Investir em pesquisa e desenvolvimento, explorar novos mercados e alinhar estratégias com as demandas do consumidor serão chaves para o crescimento sustentável, conforme indicação de Galvão.

Setores como agronegócio, tecnologia, energia renovável e infraestrutura são identificados como áreas promissoras para o Brasil em 2024. E alguns mercados continuarão passando por mudanças: saúde/hospitalar, indústria de ativos leves, educação.

O olhar amplo e fragmentado ao mesmo tempo apresentado por Galvão é consequência de estudos do mercado e experiência em gestão aplicados em diversos ramos de atuação. A expertise da AGV Gestão tem sido cada vez mais procurada por empreendedores que desejam oxigenar seu negócio e principalmente querem pensar estrategicamente e agir assertivamente. “A demanda por consultores por parte das empresas familiares está em alta. Os negócios, principalmente de médio porte, buscam apoio especializado para enfrentar grandes transformações e alcançar resultados específicos”, ressalta.

Com uma visão estratégica e foco na adaptação, as empresas familiares têm a oportunidade de prosperar em meio às mudanças do cenário econômico de 2024.

 

Foto 1:  Adriano Galvão, sócio e gestor da AGV Gestão.

Foto 2 – Reunião com a equipe de trabalho.

Crédito: Matheus Campos.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

ESPECIALISTAS APONTAM QUE SUCESSÃO E DIVISÃO DE BENS DE ABILIO DINIZ DEVEM ACONTECER DE FORMA TRANQUILA

A morte do empresário Abilio Diniz, aos 87 anos, no último domingo (18/02) causou uma …

Facebook
Twitter
LinkedIn