ESPECIALISTAS DO MERCADO DE INVESTIMENTOS ORIENTAM SOBRE AS MELHORES OPÇÕES DE FAZER O DINHEIRO RENDER

O mercado de investimentos vem atraindo cada vez mais a atenção dos brasileiros, mas a maioria ainda se sente relutante ou perdida na hora de começar a aplicar seu dinheiro. A falta de informações sobre o assunto costuma levar as pessoas a aplicações que não geram tanto lucro, causando a falsa impressão de que, no fim, não vale a pena apostar nesse formato de renda extra.

Contudo, o ato de investir segue sendo uma das melhores formas de garantir segurança financeira em longo prazo. As pessoas ainda podem obter lucros consideráveis a partir de aplicações, mas antes é necessário entender melhor tudo que está envolvido no hábito de investir.

É fundamental observar os principais pontos a serem considerados para garantir rendimentos melhores.

Identifique seu perfil de investidor

Existem investimentos para todos os gostos, e, por isso, o mercado costuma classificar os investidores em três grupos classificados como conservador, moderado e arrojado (ou agressivo). Se identificar dentro de algum desses perfis ajuda a encontrar quais investimentos atendem melhor suas próprias expectativas, além de estabelecer um cenário realista de acordo com suas condições financeiras.

O perfil conservador prioriza investimentos de baixo risco, que por sua vez também resultam em lucros menores. Já os agressivos costumam ter mais capital para investir, assumindo riscos altos para maximizar seus ganhos. Tendo isso em mente, fica mais fácil encontrar aplicações mais adequadas aos seus próprios objetivos. “Quanto risco você está disposto a assumir nesse investimento? Durante quanto tempo está disposto a deixar esse dinheiro investido? Você só vai saber sobre isso mediante seu objetivo de investimento”, afirma Thiago Godoy, head de educação financeira da XP ao falar sobre a importância de conhecer o perfil antes de investir.

Aposte na variedade

Independentemente do seu perfil de investidor, é fundamental investir em diferentes ativos financeiros para tentar maximizar seus lucros da melhor forma. O mercado financeiro é cíclico e até mesmo investimentos mais conservadores envolvem uma pequena parcela de riscos.

Buscar investir em vários ativos ajuda a tirar proveito de todos os cenários possíveis. Contudo, é sempre válido reforçar a necessidade de estudar bem o mercado que deseja investir, pois assim torna-se possível prever quais modalidades estão oferecendo a perspectiva mais otimista de lucro. Assim, é possível investir mais dinheiro naquilo que, em tese, pode dar mais retorno.

Alexandre Amorim, sócio da consultoria de investimentos Par Mais, afirma que esse é um momento de maior cautela para o investidor. O posicionamento que ele sugere nesse momento é o de aplicações de renda fixa pós-fixadas, que contam com baixa volatilidade no mercado secundário e trazem menos risco para o investidor. “A taxa de juros ainda pode subir muito, isso significa que a estratégia de aplicar em prefixados ainda pode ser muito arriscada”, afirma o especialista. Amorim explica que ainda é necessária uma maior definição da postura do governo federal após esse corte para definir melhor estratégias.

Atenção aos riscos

Todo investimento funciona como uma troca, e até mesmo os mais seguros podem envolver a cobrança de algumas taxas que impactam o lucro final. É imprescindível se atentar a esses detalhes antes de investir, pois muitas vezes o lucro líquido pode não ser tão vantajoso quanto aparenta de início.

Da mesma forma, investidores mais moderados ou arrojados precisam estudar minuciosamente as ações que desejam adquirir, pois, uma vez que forem desvalorizadas, não é possível recuperar a quantia investida naqueles ativos. Para aqueles que não possuem tanto conhecimento ou confiança no mercado financeiro, é sempre válido procurar a ajuda de um profissional especializado para investir com mais segurança.

 

Foto 1 – Thiago Godoy, head de educação financeira da XP.

Foto 2 –  Alexandre Amorim, sócio da consultoria de investimentos Par Mais.

Crédito: Divulgação.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PARKINSON – O QUE É PRECISO SABER

ARTIGO DA MÉDICA LAURA MORIYAMA  A doença de Parkinson foi descrita em 1817 por James …

Facebook
Twitter
LinkedIn