PLANEJAMENTO, O CAMINHO PARA A SAÚDE FINANCEIRA

ARTIGO JAVIER GARCIA VERDOUS

Planejar bem o orçamento, saber exatamente quanto se gasta,quais despesas são prioritárias e aquelas que podem ser cortadas ou reduzidas são exercícios fundamentais para iniciar o ano com mais tranquilidade para toda a família. A solução para passar sem sustos por esse período –marcado por despesas típicas como viagens, IPVA, IPTU e compra de material escolar –reside mais no passado do que no futuro. Afinal, para quem se planeja não há surpresas: esses gastos, ainda que variem, são previsíveis e nos impactam em todos os anos.

Pesquisa recente do Serasa mostrou que, em dezembro de 2023, havia no Brasil cerca de 71,1 milhões de pessoas inadimplentes, ou seja, 43,4% da população não conseguiu honrar suas dívidas dentro do prazo. Em São Paulo, essa taxa é de quase 46%, o oitavo estado com a maior parcela no país.

Para evitar que mais famílias façam parte dessa estatística, a orientação de especialistas de instituições financeiras sólidas, somada a ações que reduzam o comprometimento da renda com gastos, empréstimos e financiamentos e que aumentem a capacidade de investire poupar,são essenciais.Para facilitar esse planejamento, que pode ser feito por meio de aplicativos ou planilhas, há algumas dicas básicas:

– Montar um orçamento: levantar os possíveis ganhos e despesas no ano, e verificar qual a estimativa de dinheiro já comprometido e de potencial de reserva. Com um orçamento anual, é possível ter um controle maior dos gastos, evitando cair em “armadilhas” que podem surgir quando se está restrito a um olhar de curto prazo, o famoso – e perigoso – “depois eu pago”.

– Renegociar dívidas: no caso de existir dívidas prévias, é necessário avaliar se há margem para negociação.Este pode ser um meio para aumentar a capacidade de investimento no ano.

– Economizar: avaliar se há condições de reduzir os gastos com itens do cotidiano como transporte, luz, gás, água (bom para o bolso e para o meio ambiente) e pacote de TV por assinatura, internet e celular. Colocar tudo na ponta do lápis para analisar eventuais economias, mesmo que pequenas, pode fazer muita diferença ao longo do ano.

– Criar metas: traçar metas de conquistas de curto, médio e longo prazos ajuda a fomentar a disciplina. Pense no futuro de sua família e na sua própria aposentadoria. Observe o que é possível atingir em um curto espaço de tempo, mas também não deixar de contemplar o futuro, pois o tempo é um grande aliado dos investimentos.

– Ter uma reserva financeira de emergência: diante de qualquer problema inesperado que exija o uso de recursos,uma reserva de emergência permite que se mantenha o foco no longo prazo. Mas não deixe de tentar realizar seus sonhos, planejando uma reserva de curto prazo para objetivos como viagens, cursos, compras de um eletrodoméstico ou até a troca do carro.

– Olhar para o futuro: avalie a contratação produtos de longo prazo, como uma previdência privada. Busque por vantagens tributárias, tenha disciplina (fazendo aportes mensais) e diversifique os investimentos de acordo com o seu perfil, momento de vida e objetivos.

Além dessas dicas, as famílias podem aproveitar iniciativas oferecidas pelo mercado de renegociação de dívidas, contratação de financiamentos mais baratos e ofertas de crédito nas modalidades pessoal, consignado e com garantias.Mas o mais importante é seguir as orientações de especialistas certificados e de instituições financeiras confiáveis. Assim, você e sua família vão conseguir tirar seus sonhos e metas do papel.

 

Javier Garcia Verdous é senior head da Rede SP Metropolitana do Santander Brasil.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PARKINSON – O QUE É PRECISO SABER

ARTIGO DA MÉDICA LAURA MORIYAMA  A doença de Parkinson foi descrita em 1817 por James …

Facebook
Twitter
LinkedIn