PRIMEIRA VIDEOLAPAROSCOPIA REALIZADA NA PUC CAMPINAS TRAZ ALÍVIO A PACIENTE DE SEIS ANOS

Uma cirurgia realizada na PUC-Campinas por médicos do grupo MiniPed trouxe alívio a um paciente de apenas seis anos, que desde os seis meses de idade apresentava dificuldade de evacuação. Foi a primeira vez que uma videolaparoscopia — um método minimamente invasivo — foi realizada no Hospital da PUC. O garoto apresentava quadro clínico de dores abdominais fortes e impactação fecal recorrentes e por várias vezes precisou de lavagem intestinal. “O tratamento clínico não teve sucesso. E com exames de imagem, biópsia intestinal e manometria anorretal concluímos que o paciente tinha constipação intestinal funcional idiopática”, explica o Dr. Rodrigo Garcia, pioneiro em cirurgia pediátrica robótica no interior de São Paulo.

A intervenção foi realizada pela primeira vez na PUC pelo Dr. Rodrigo e pela Dra. Renata de Barros Guerra, integrantes do grupo MiniPed. O paciente se beneficiou pela técnica bem menos agressiva do que a utilizada em cirurgias convencionais. Graças a essa característica da videolaparoscopia, a recuperação foi rápida e sem intercorrências.

Durante o acompanhamento clínico, não foi possível detectar as causas da constipação. “O caso desse paciente é atípico. É o que chamamos de causa idiopática, quando não apresenta causa aparente”, afirma o Dr. Rodrigo.

Diante desse quadro, veio a opção pela videolaparoscopia. O objetivo foi exteriorizar o apêndice cecal na pele da cicatriz umbilical. “Após o procedimento, o paciente realiza as lavagens intestinais com menos frequência e mais facilidade. As lavagens intestinais são feitas para que o paciente consiga esvaziar o intestino, já que não consegue evacuar espontaneamente”, detalha o Dr. Rodrigo.

O ganho na qualidade de vida do paciente é significativo. Com a mudança do apêndice cecal para a pele, ele não precisa mais realizar as lavagens com a sonda no reto. “A lavagem pelo apêndice é um método mais confortável e eficiente, já que dessa forma ele consegue esvaziar todo o cólon, que fica limpo por mais tempo”, compara o Dr. Rodrigo Garcia.

A partir de agora, o garoto deve ter uma alimentação correta, como muitas fibras e água. “O paciente apenas precisa evitar alimentos com farinha branca, que na verdade é uma postura que quase todas as pessoas deveriam ter”, orienta o Dr. Rodrigo.

Formado por médicos cirurgiões que realizam procedimentos minimamente invasivos, o grupo MiniPed atua na Região Metropolitana de Campinas, na capital São Paulo e no Sul de Minas Gerais. O diferencial do grupo é a vantagem técnica de atuar em espaços reduzidos — como o corpo de uma criança — e com menos risco de sangramento e menor tempo cirúrgico, o que beneficia pacientes que não conseguiriam ser operados de forma tradicional, como idosos e pessoas com comorbidades. Entre as metodologias oferecidas pela equipe estão a cirurgia robótica, laparoscopia e toracoscopia.

 

Foto: Dr. Rodrigo Garcia, pioneiro em cirurgia pediátrica robótica no interior de São Paulo.

Crédito: Divulgação.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

IBEF CAMPINAS REALIZA A CERIMÔNIA DE ENTREGA DO PRÊMIO EQUILIBRISTA COM JANTAR DANÇANTE

Depois de dois anos por conta da pandemia de covid-19, o IBEF (Instituto Brasileiro de …

Facebook
Twitter
LinkedIn