TAXAS E COBRANÇAS ABUSIVAS PODEM INVIABILIZAR OPERAÇÕES CARGUEIRAS NO AEROPORTO DE VIRACOPOS

Desde o começo de agosto, um aumento abusivo nas taxas cobradas das empresas de serviços auxiliares de transporte aéreo (esatas) vem colocando em risco a viabilidade das operações cargueiras no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo (Abesata) e a Associação queviracopos-pag-3 representa 38 empresas aéreas internacionais (JURCAIB), as taxas foram reajustadas em até 1400%. Ambas entidades afirmam que o movimento visa impedir as esatas de atuar livremente em Viracopos e criar um serviço monopolizado.

O conflito foi parar na Justiça quando as empresas de ground handling decidiram efetuar o pagamento das taxas reajustadas em juízo e o caso também foi levado à ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil). “Mesmo sabendo que o tema estava em litígio e os depósitos sendo praticados em juízo, uma gestora de ABV comunicou às Esatas que não mais emitiria credenciais por ausência de pagamento”, afirmou o presidente da Abesata, Ricardo Aparecido Miguel. Entretanto, decisão do juiz Maurício Botelho Silva da 10ª Vara Cívil de Campinas tem garantido o regular direito do trabalho das Esatas. “O aeroporto não está tendo habilidade com este caso: interpretou a seu modo uma legislação da autoridade aeronáutica e passou a exigir que 100% da carga aérea para exportação fosse submeida à inspeção. O gesto pode ser interessante. Mas após um amplo debate com a sociedade. Pois é ela que vai pagar a conta”, disse o executivo da Abesata.

A lista de novas cobranças inclui R$ 0,036 por quilo de carga paletizada, uma taxa de permanência por hora de uso de equipamento (trator, empilhadeira etc) da própria esata de R$ 180 e mais uma taxa de inspeção de carga aérea em raio X (R$ 0,02 por quilo inspecionado ou R$ 70,00 por passagem). “A sugestão do próprio aeroporto é o repasse das taxas para os agentes de carga, o que não tem qualquer justificativa”, afirma o presidente da entidade, lembrando que não existem cobranças como esta em nenhum outro aeroporto no Brasil.

Segundo Robson Bertolossi, presidente da JURCAIB, o aeroporto está criando um falso discurso sobre segurança e anunciou, através de ofício circular para todas as empresas aéreas, que a “operadora dos novos serviços de segurança para cargas de exportação e importação” em Viracopos será exclusivamente feita por uma única empresa apontada pela própria administração aeroportuária. “A medida vai contra todas as boas práticas de livre comércio e empresas como Lufthansa, TAM Cargo e KLM foram as primeiras a se manifestarem contra o anúncio de monopólio. Elas têm o direito de escolher a Esata que deva atender seus serviços”, concluiu.

 

Foto: trabalho realizado pelas empresas de serviços auxiliares de transporte aéreo (esatas).

Crédito: Divulgação.

 

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn