A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

ARTIGO DA ADVOGADA CLARA TOLEDO CORRÊA 

Como já sabemos desde o início dos anos 2000 a Inteligência Artificial (IA) tem sido utilizada de diversas formas, assim, a IA não é algo completamente novo, embora seu refinamento se supere a cada dia. Nos últimos meses e semanas discussões sobre trazer à vida ou às telas ou em propagandas, cenas ou músicas de pessoas que já faleceram é algo que tem gerado uma certa celeuma do ponto de vista social, mais do que legal.

Com o auxílio da Inteligência Artificial, há pouquíssimo tempo, a cantora Maria Rita protagonizou um comercial com a sua mãe, Elis Regina, que faleceu quando ela tinha apenas quatro anos de idade. Para muitos o comercial foi emocionante, para outros uma incoerência devido ao posicionamento que Elis Regina teve em seu passado de luta política e diante da história da montadora de carros.

O fato é que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) questionou, junto com alguns consumidores, a questão moral da utilização da imagem de uma pessoa já falecida devido a possibilidade de confusão entre pessoas mais novas que não conhecem a história das cantoras e artistas. Bem como a dita imprudência como ambas conduziam os veículos – pois um comercial deve ser seguro para os consumidores e deve mostrar o que deve realmente ser feito, em linhas gerais.

Assim, a grande discussão, por fim foi esta, inclusive, pois quanto ao uso da imagem e música da cantora falecida prematuramente aos 36 anos, não há o que se discutir, pertencem aos herdeiros até o septuagésimo aniversário após sua morte. Se discute apenas os direitos autorais referentes às músicas, por exemplo, já que os direitos morais atrelados à personalidade não possuem um único posicionamento, quanto ao uso “indiscriminado” pós morte.

Questões como essas, portanto, são controversas há tempos – mais de décadas – e pouco foi mudado quanto ao âmbito jurídico, ou melhor, legislativo. Para muitos estudiosos, pesquisadores e atuantes na área, as leis referentes ao Direito Autoral e Propriedade Industrial, por exemplo, são consideradas defasadas levando em consideração que são textos da década de 1990.

De fato, o Direito não precede os fatos e preceder a tamanha tecnologia e velocidade é algo inimaginável diante do processo burocrático. Com isso, juristas vêm se valendo de figuras e institutos alienígenas ao Direito Brasileiro, bem como utilizando as normativas nacionais de forma mais cautelosa possível, por meio de contratos bem elaborados, que podem auxiliar as partes envolvidas e a sociedade a ingressar perante o Poder Judiciário.

No caso aqui descrito, não podemos afirmar que determinados cuidados foram observados, do contrário não haveria o processo ético contra a montadora de veículos que envolveu a “herdeira” de Elis Regina (coloco entre aspas, pois a cantora Maria Rita não se resume a uma herdeira).

Por esse motivo e diante do “mundo virtual em que vivemos”, de artistas e influencers, juntamente com a Inteligência Artificial, é necessário mais do que nunca tomarmos certos cuidados e atentarmos para determinados aspectos legais e sociais que devem ser tratados de forma clara e bem pontuados em contratos, antes de sair fazendo a famigerada “publi”.

Consequentemente, esses documentos devem observar uma série de leis – como a Constituição, Código Civil, Lei de Direitos Autorais, Lei de Propriedade Industrial – bem como outras regulamentações nacionais e usos em outros países. Pois como já mencionado, alguns institutos não são tratados no Brasil, mas aceitos aqui pelo Judiciário.

 

Clara Toledo Corrêa é advogada, especialista em Propriedade Intelectual e Industrial, Marcas e Patentes e atua na Toledo Corrêa Marcas e Patentes.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Facebook
Twitter
LinkedIn