CÂNCER DE PRÓSTATA: QUANDO OS SINTOMAS APARECEM JÁ PODE SER TARDE DEMAIS

ARTIGO DO DR. PAULO EDUARDO PIZÃO

O incômodo do toque na próstata no momento em que o urologista examina o homem é tão fugaz que qualquer piada a esse respeito chega a ser patética. O desconforto não dura nem um minuto e compensa demais se comparado a receber a notícia de que, em virtude do câncer, o paciente poderá ter que conviver com sequelas ou tem risco de morte porque o tumor da próstata atingiu outras partes do corpo. No papel de docente universitário eu falo aos meus alunos que, como médicos, temos que dar o exemplo e não compartilhar ou achar graça de tamanho gesto de imaturidade.

O câncer de próstata praticamente não tem sintomas e tem duas maneiras de se apresentar. Ele pode ficar oculto por anos e não se manifestar. Ou ele é agressivo e chega aos ossos — ou outros órgãos — atingidos por metástase, quando a corrente sanguínea ou vasos linfáticos do corpo contém células cancerosas.

O desafio atual da oncologia quanto ao câncer de próstata é classificar no paciente qual desses dois perfis tem o seu tumor. Esse conhecimento existe na medicina, mas ainda precisa de validação. Um tratamento só pode ser determinado depois de muito rigor e comprovação.

Por isso é importante o rastreio da população difundido na campanha anual do Novembro Azul. A incidência do câncer de próstata aumenta a partir dos 50 anos, idade que o homem deve começar anualmente a fazer exames de toque e de sangue (PSA).

Há alguns indícios do perfil do paciente acometido pelo câncer de próstata: ter 50 anos ou mais; ter antecedência familiar; ser da raça negra, ser sedentário ou obeso.

Por não apresentar sintomas não tão específicos, esse tumor masculino pode surpreender o paciente em estágio avançado. Se ele sentir uma dor óssea, encontrar sangue na urina, ter dificuldade para urinar ou sensação de que a bexiga não esvazia totalmente quando vai ao banheiro, já pode ser muito tarde para garantir que não haja consequências desagradáveis.

Quando o tumor na próstata é descoberto, o protocolo médico orienta vigilância com consultas marcadas em determinados períodos para o teste PSA. Não há indicação de medicação ou outro tratamento se o desenvolvimento do tumor estiver sob controle. No entanto, se o índice do PSA dobrar de uma hora para outra, é hora de tratar “com mão pesada”.

A resistência do homem em cuidar da saúde e prevenir doenças se evidencia nesta época. A diferença na reação do público do Outubro Rosa e do Novembro Azul é enfática. O índice de presença de participantes num evento de conscientização para um e para o outro sexo é destoante. Não raro, as mulheres se engajam também nas ações do Novembro Azul para depois ter argumentos e cobrar dos maridos.

Parabéns às mulheres!

O oncologista Dr. Paulo Eduardo Pizão é um profissional global. Por ter trabalho como docente em faculdade, como pesquisador na indústria farmacêutica, gestor em instituições de saúde e por atuar no atendimento clínico, tem uma visão geral do setor e conhece o mecanismo desse segmento. Ele coordena o Serviço de Oncologia Clínica do Hospital da PUC Campinas; coordena a equipe médica da Oncologia Vera Cruz Hospital; é pesquisador no Centro de Pesquisa Clínica São Lucas (PUC-Campinas) e coordena a disciplina de Oncologia Clínica no Curso de Medicina da Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas-SP.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Facebook
Twitter
LinkedIn