EMPREENDEDOR, NÃO TENHA MEDO DO INVERNO

ARTIGO DE DIOGO CATÃO

Dados recentes do primeiro trimestre de 2023 mostram que houve queda de 86% na atuação de investimentos em startups no Brasil, em relação ao mesmo período de 2022. O ano passado mobilizou US$ 1,7 bilhões de investimentos e até o momento tivemos US$ 247 milhões captados, o que acendeu uma luz de alerta no setor de inovação.

Essa queda é relacionada a investimentos em médio prazo, institucionais, que estão cada vez mais rigorosos. Entretanto, para startups nos estágios de ideação e validação, pré-seed e seed, os aportes continuam quentes. Isso porque os investimentos são em médio e longo prazo.

Atualmente, o cenário é de cautela, porém sem pausa nas atividades. Os investidores estão atentos aos riscos e tomando mais cuidado ao investir. Por um lado, a pandemia acelerou a produção de tecnologia, criando oportunidades para empresas que desenvolvem soluções inovadoras. O volume de investimentos na etapa inicial foi grande. Por outro, as startups agora enfrentam sistemas mais rigorosos para tirarem a ideia do papel com os recursos necessários.

A redução nesse primeiro trimestre está relacionada à alta da taxa de juros. Logo, alguns investidores aplicaram dinheiro em renda fixa por causa do menor risco. No entanto, trata-se de uma fase transitória. É preciso ficar atento às mudanças do mercado que podem transformar esse momento em uma etapa mais positiva. As tensões comerciais entre países e a economia, por exemplo, são variáveis que alteram cenários. Por isso, é necessário sempre observar essas questões.

Tudo isso não significa que os investimentos diminuíram; as iniciativas continuam, só que de forma mais estratégica. Nesse sentido, é importante analisar o mercado em que a startup está inserida, averiguar se o setor está aquecido economicamente, ponderar a capacitação do time à frente da solução e a perspectiva de crescimento.

Tarefas difíceis, diga-se de passagem. Por isso, os investidores hoje buscam as CVBs para diversificarem suas apostas. Isso porque as corporate venture builders já fazem todo esse trabalho, além disso, minimizam riscos e aumentam as chances de retorno financeiro, até mesmo mais do que uma renda fixa pode proporcionar.

Também não destaco apenas o aspecto financeiro. Afinal, há muitas startups que promovem o desenvolvimento social com suas propostas. Então, sugiro que, diante de uma análise, o investidor considere a linha de propósito para seu investimento, porque pode se deparar com uma oportunidade de alavancar o desenvolvimento do país.

Com o decréscimo de investimentos em startups no Brasil, não dá para dizer que o inverno já passou. Entretanto, é preciso olhar para novas perspectivas.

O cenário econômico varia de setor conforme o mercado em que a startup atua. Ainda há desafios a serem superados, considerando os resquícios da pandemia e outros fatores externos que são um calo no sapato dos empreendedores. Dessa maneira, é importante focar na geração de valor para os clientes, com a finalidade de fechar novas notas fiscais.

Para as startups, o conselho é monitorar o mercado e criar estratégias para garantir a sustentabilidade e o desenvolvimento do negócio em longo prazo. Observando mais de perto dados que já foram abordados anteriormente, as fintechs, seguidas do setor de supply chain e as startups com soluções de energia foram os segmentos que mais receberam investimentos de venture capital.

Novamente, destaco: o inverno ainda não passou, mas com foco e determinação é possível superá-lo.

 

Diogo Catão é CEO da Dome Ventures, uma corporate venture builder GovTech que nasceu com o propósito de transformar o futuro das instituições públicas no Brasil – [email protected].

 

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PODCAST PANORAMA DE NEGÓCIOS TEM COMO TEMA MOBILIDADE URBANA INTELIGENTE DE FORMA SUSTENTÁVEL

Neste episódio do podcast Panorama de Negócios vamos falar sobre mobilidade urbana inteligente de forma …

Facebook
Twitter
LinkedIn