SONDAGEM REVELA QUE 47% DA INDÚSTRIA REGIONAL DE CAMPINAS DESENVOLVE PROJETO PARA USO DE ENERGIA SUSTENTÁVEL

A regional Campinas do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) apresentou nesta semana a Sondagem Industrial de fevereiro. Em um viés de abordagem inédito com as empresas associadas, a Sondagem verificou como está a transição para o uso de fontes de energia mais sustentáveis (limpas).

Atualmente 47% das indústrias estão desenvolvendo projetos de transição para o uso de energias mais sustentáveis. A utilização desse tipo de energia já é feita por 13% das respondentes. Afirmam ainda não ter avaliação   sobre o tema – 33% e apenas 7% afirmou não ter intenção na sua utilização. A Sondagem também apontou que 86% da indústria regional utiliza energia elétrica convencional e 7% já utiliza energia solar fotovoltaica.

O diretor do Ciesp-Campinas, José Henrique Toledo Corrêa, afirmou que a transição das indústrias para energias renováveis mostra também a preocupação delas com a autonomia energética. “Isso está relacionado com a busca por sustentabilidade, através de energia limpa. Outro aspecto é que essas empresas podem até ganhar algum dividendo, vendendo futuramente a sua energia excedente”, acrescentou o diretor.

Em relação aos tópicos da Pesquisa de Sondagem Industrial, Corrêa afirmou que os principais indicadores da Sondagem Industrial apontam que a queda do volume de produção e da capacidade produtiva mostram “suave declínio da atividade econômica”.

O diretor explicou, que em relação aos indicadores empregabilidade e investimento, as empresas declararam que o quadro está estável, “porém avaliamos que com queda de produção e capacidade produtiva sentimos uma tendência de queda da atividade econômica e isso impactará nos próximos meses”.

Com relação aos investimentos das indústrias na ampliação da capacidade produtiva para os próximos 12 meses, 40% das associadas afirmaram que irão atualizar o maquinário já existente e 13% vão ampliar o número de máquinas. Já 47% disseram que não irão investir.

Balança Comercial Regional

O primeiro vice-diretor do Ciesp-Campinas, Valmir Caldana, comentou os números da Balança Comercial Regional. No acumulado do ano de 2023, as exportações foram de US$ 3,641 bilhões, 1,2% menor que em 2022. Já as importações de 2023 foram de US$ 11,202 bilhões, 21,4% menor que em 2022. No acumulado do ano passado, a corrente de comércio exterior (soma das importações e exportações) chegou a US$ 14,843 bilhões, 17,2% menor que em 2022.

No ano de 2023, os principais municípios exportadores foram: Campinas (31%), Paulínia (24%), Sumaré (11,2%), Mogi Guaçu (8,8%) e Valinhos (5,3%). Já os principais importadores em 2023 foram: Paulínia (36%), Campinas (30%), Jaguariúna (8,2%), Sumaré (8%) e Hortolândia (7,9%).

Em janeiro de 2024 o valor exportado foi de US$ 307,5 milhões – 2,7% menor que em janeiro de 2023. Já as importações no mesmo mês foram de US$ 958,1 milhões – 1,9% menor do que em janeiro do ano passado. O saldo em janeiro de 2024 foi negativo em US$ 650,6 milhões – 1,5% menor que o registrado em janeiro de 2023. A corrente de comércio exterior regional (soma das exportações e importações) em janeiro de 2024 foi de US$ 1,265 bilhão – 2,1% menor que em janeiro de 2023.

Em janeiro de 2024, os principais municípios exportadores da regional Campinas do Ciesp foram, pela ordem, Campinas (27,5%), Paulínia (22,8%), Sumaré (15,1%), Mogi Guaçu (8,7%) e Conchal (5,1%). Os municípios que mais importaram foram Campinas (38,7%), Paulínia (27,6%), Jaguariúna (8,7%), Hortolândia (8%) e Sumaré (7,7%). O percentual do município refere-se a sua participação em relação ao total da regional no balanço mensal.

 

Foto: José Henrique Toledo Corrêa (Diretor) e Valmir Caldana (Primeiro Vice-Diretor) do Ciesp-Campinas.

Crédito: Roncon & Graça Comunicações.

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

CPFL SE MOBILIZA PARA MIGRAR CLIENTES INTERESSADOS NO MERCADO LIVRE DE ENERGIA

O Mercado Livre de Energia é um ambiente competitivo de negociação de energia elétrica. Nele, …

Facebook
Twitter
LinkedIn