ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DESPENCA NO MÊS DE JUNHO EM CAMPINAS

A paralisação dos caminhoneiros e a consequente crise de abastecimento que se espalhou pelo Brasil em maio geraram efeitos negativos sobre o humor dos consumidores de Campinas (SP). O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) caiu 2,56%, ao passar de 101,5 pontos em maio para 98,9 pontos em junho. Esse foi o menor patamar do dado econômico desde que o SindiVarejista de Campinas e Região passou a medir o ICC do município em novembro de 2016. Em relação a junho de 2017, o indicador registrou queda de 13,2%.Sanae&Funcionarios2014_0374 (1)

O ICC é elaborado mensalmente pelo SindiVarejista em parceria com a FecomercioSP e a escala de pontuação varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total). Essa também foi a primeira vez que o índice de Campinas ficou abaixo dos 100 pontos e, com isso, saiu da margem positiva do dado.

Os dois quesitos que compõem o indicador tiveram resultados opostos na passagem de maio para junho. O Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) registrou alta de 12%, ao passar de 44,3 pontos em maio para 49,9 pontos em junho. Em relação a junho do ano passado, houve elevação de 26,3 pontos ou alta de 111%.

Já o Índice das Expectativas do Consumidor (IEC) caiu 5,7%, ao passar de 139,6 pontos em maio para 131,6 pontos em junho. No comparativo anual, o índice ainda registrou queda de 24%.

A presidente do SindiVarejista, Sanae Murayma Saito, afirma que os resultados mostram que os efeitos da crise do abastecimento devido à paralisação se abateu, de forma imediata, sobre os consumidores e alterou a visão de curto prazo. “O cenário futuro também é avaliado de maneira negativa, já que há uma evidente desconfiança na capacidade do governo de solucionar a crise e dúvidas sobre como serão os próximos meses até o fim do mandato”, avalia.

Ainda de acordo com a presidente, desde o início do ano, o ICC vinha alternando momentos de alta e baixa sem estabelecer uma trajetória definida, mas se mantendo acima dos 100 pontos, ou seja, indicando um sentimento de otimismo dos consumidores de Campinas. “Entretanto, de maio para junho, motivado pela paralisação dos caminhoneiros, o indicador exibiu a queda que acabou derrubando abaixo dos 100 pontos e deixando a margem positiva. Considerando que esses movimentos mais exagerados são naturais em curto prazo, acredito que as perspectivas presentes melhorem um pouco em curto prazo de tempo”, terminou.

Os dados são segmentados por nível de renda, sexo e idade. O ICC varia de zero (pessimismo total) a 200 (otimismo total). Sua composição, além do índice geral, apresenta-se em: Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) e Índice das Expectativas do Consumidor (IEC). Os dados da pesquisa servem como um balizador para decisões de investimento e para formação de estoques por parte dos varejistas, bem como para outros tipos de investimento das empresas.

Foto: Presidente do SindiVarejista, Sanae Murayma Saito.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

PRESIDENTE DA EPSON DO BRASIL VÊ POSSIBILIDADE DE CRESCIMENTO MESMO COM PANDEMIA

“Claro que temos que considerar que é uma questão de saúde pública. Mas olhando pelo …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn