CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL – UMA VISÃO DE FUTURO

ARTIGO DE JOSÉ NUNES FILHO

O novo Plano Diretor de Campinas, atualmente em discussão com a sociedade, constitui-se numa oportunidade única para livrar-nos, no futuro, dos grilhões de uma possível estrutura urbana arcaica, caótica e juridicamente insegura, garantindo-nos, crescimento sustentável,  qualidade de vida, preservação ambiental  e o pleno desenvolvimento econômico e social de nosDSC05821_Jose_Nunes_Filho_CiespCampinas_credito_Roncon&Graça Comunicaçõessa cidade.

É hora de pensar e agir com sabedoria, com uma visão moderna de planejamento urbanístico, num projeto de estado, olhando para o futuro, sem ranços ideológicos e sem temor de quebrar velhos paradigmas. Qualidade de vida deve ser a tônica, centralidade local deve ser o objetivo, tendo a melhor mobilidade urbana como resultado e a plena  moradia, preservação ambiental e desenvolvimento econômico e social, como necessidades básicas a serem atendidas.

Temos que prever regras que garantam a ocupação dos vazios urbanos e das áreas passíveis de expansão urbana, com total controle urbanístico e ambiental, sob o risco de, se não o fizermos agora,  assistirmos futuramente,  à  ocupações desordenadas e ilegais, por cidadãos vindos de outros municípios, deixando o legado do caos urbano, da insegurança,  da falta de infraestrutura, saúde , educação e mobilidade como um ônus eterno para o povo campineiro. Por essa razão é necessária a coragem de quebrar paradigmas  e inovar, transformando todas as áreas da cidade em zonas de expansão urbana, passíveis de usos diversos desde que aprovados pelos órgãos municipais de urbanismo e meio ambiente, permitindo aos moradores o livre arbítrio da decisão sobre  novos usos para sua propriedade e a possibilidade de integrá-la ao município de forma legal,  inclusiva, contribuindo com o desenvolvimento sustentável e  evitando que fique à mercê de ocupações irregulares.  Não é possível que criemos guetos de uso do solo urbano, baseados numa realidade atual que poderá ser completamente diferente no futuro, restringindo e limitando o necessário crescimento sustentável da cidade.

É nossa responsabilidade planejar o futuro das novas gerações, com a criação de novos empregos e oportunidades, habitações e a garantia de arrecadação de impostos que sustentem serviços públicos e infraestrutura urbana de qualidade e isso só será possível com um Plano Diretor e uma Lei de Uso e Ocupação de Solo que fomentem o desenvolvimento econômico sustentável, ordenado e juridicamente seguro, disponibilizando novas áreas no município, para que moradias e empreendimentos empresariais sejam implantados.

Cabe ao poder público definir, no momento da implantação de novos projetos na cidade, quais são suas limitações ambientais e urbanísticas, não uma pré-definição por lei, que com o passar dos tempos tende a perder a vocação determinada, criando novos vazios urbanos passíveis de usos inadequados e invasões ilegais.

José Nunes Filho é diretor titular da Regional Campinas do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

CASA REVIVA INAUGURA A PRIMEIRA EXPERIÊNCIA DE LOJA CONCEITO NO RIO DE JANEIRO

Os shoppings Rio Design Leblon e Rio Design Barra, no Rio de Janeiro, abrem suas …

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
LinkedIn