PESSOAS DEVEM TER ATENÇÃO AOS SINTOMAS DO PÉ DIABÉTICO

Diariamente pacientes diabéticos sofrem com as complicações provenientes do agravamento da diabetes por má condução dos casos, desinformação ou por ausência de oportunidade de atendimento complexo específico. No Brasil, são estimados 10,5% da população (aproximadamente 16 milhões pessoas) portadora de Diabetes Mellitus. Segundo o médico e diretor do Instituto Allezi de Campinas, Bruno Hesz Ferrari, um dos pontos que o paciente precisa ficar atento é com as manifestações no chamado pé diabético, onde a doença se manifesta na grande maioria das vezes.

Ferrari cita que de acordo com o Guideline 2023 do Grupo de Trabalho Internacional sobre Pé Diabético (IWGDF) e documentos da Federação Internacional do Diabetes (IDF), mundialmente 537 milhões de adultos convivem com Diabetes Mellitus, número esse que pode chegar a 784 milhões em 2045. “Do total, estima-se 44% não são diagnosticados ou assintomáticos”, afirma. “Em 2021, estimam-se que 6,7 milhões de pessoas morreram devido às complicações – uma a cada 5 segundos”, acrescenta.

No Brasil, os números também são alarmantes, de acordo com o diretor do Instituto Allezi, já que 32% dos pacientes portadores de Diabetes Mellitus não são diagnosticados, o que pode causar sérios riscos aos pacientes e graves complicações neurovasculares decorrentes pela doença, ocasionando lesões crônicas, fonte de múltiplas internações, uso crônico de medicações e curativos complexos, além de evoluir para amputações parciais ou totais dos membros inferiores ou até a morte.

Dentre as complicações mais comuns do diabetes é o chamado Pé Diabético. “É preciso prestar atenção a alguns sinais para que o tratamento seja iniciado rapidamente”, alerta o especialista. Dentre as sensações, ele aponta cinco: sensação de dormência ou formigamento nos pés – pode ser neuropatia diabética; feridas que demoram a cicatrizar – indício de problemas circulatórios; mudanças na cor e temperatura dos pés – procure um médico se notar vermelhidão, palidez ou temperatura anormal; inchaço e alterações na textura da pele – podem indicar problemas circulatórios; e, dor persistente nos pés – investigue a causa para evitar úlceras e infecções. “Não ignore esses sinais”, afirma Ferrari. “Se perceber pelo menos um deles, procure um profissional de saúde imediatamente e cuide dos seus pés diariamente, mantendo-os limpos e hidratados e use sapatos adequados e confortáveis”, conclui.

 

Foto: Médico e diretor do Instituto Allezi de Campinas, Bruno Hesz Ferrari.

Crédito: Divulgação.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

LK DESIGN HOTEL TEM NOVA CARTA DE VINHOS E LANÇA BEBIDA DE MARCA PRÓPRIA

Um dos mais badalados hotéis da capital catarinense, o LK Design, renovou sua carta de …

Facebook
Twitter
LinkedIn