PSICOPEDAGOGA DESTACA ALGUNS DESAFIOS NA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÓS-PANDEMIA

A disseminação da covid-19, impactou o mundo fazendo com que todos hoje enfrentem os desafios gerados ao voltarem às rotinas nesse novo tempo pós-pandemia. Entre as áreas que sofrem consequências e prejuízos causados pelo coronavírus está a Educação. Para proteção dos alunos, a Organização Mundial da Saúde (OMS), ordenou a suspensão das aulas, nas escolas particulares e públicas, para segurança e por necessidade deles manterem o isolamento social.  O ensino à distância foi adotado pelas escolas com aulas on-line. Esse modelo híbrido minimizou os prejuízos durante a fase de aprendizagem dos alunos.

A Psicopedagoga Manoela Gomes explica quais são os desafios para os profissionais da área da Educação pós-pandemia. “Lidar com as dificuldades de aprendizagem adquiridas durante esse processo, trabalhar os conteúdos que não foram possíveis aprender no ensino híbrido, desenvolver estratégias para cada dificuldade apresentada, trabalhar a socialização e muitas vezes a falta de recursos para uma formação adequada para o professor”, relata.

Entre seus atendimentos, ela ajuda alunos que já apresentavam dificuldades de aprendizado antes da pandemia e, agora, pós-pandemia esses alunos ficaram ainda mais prejudicados com os conteúdos atrasados. Ela explica como proceder para contribuir no andamento do ensino nesses alunos. “O psicopedagogo que já atendia esse aluno antes, deve continuar fazendo esse acompanhamento. Já na parte institucional o psicopedagogo juntamente com a gestão escolar deve avaliar esse aluno como um todo com a finalidade de buscar os profissionais (equipe multidisciplinar) adequado para o acompanhamento dele, se houver necessidade. Lembrando que o psicopedagogo Institucional deve fazer as intervenções necessárias para sanar as dificuldades apresentadas”, esclarece.

O uso da tecnologia causou mudanças dentro das escolas. O estudo na modalidade híbrida está sendo visto hoje como um novo caminho para professores ministrarem suas aulas e aplicarem avaliações. Gomes explica como essa nova realidade afeta a qualidade no aprendizado do aluno que antes tinha acesso aos conteúdos escolares apenas dentro da sala de aula. “Atualmente o sistema escolar trabalha com aplicativos internos, onde o pai juntamente com a criança acessa as plataformas para ter acesso aos conteúdos escolares. Isso demonstra que cada vez mais precisamos dessa ferramenta para buscar novos conhecimentos, porém, sabemos que essa modalidade de ensino não está voltada para todos. A aprendizagem mesmo lenta, pode sim acontecer nesse ensino, mas essa criança precisa ter apoio constante da família e da escola, caso a dúvida aconteça”, ressalta.

Outra realidade vigente durante a pandemia e que ainda existe é a exceção de alguns alunos nessa era digital. São vários os fatores que os excluem do ensino híbrido que vai desde a situação socioeconômica até os despreparos dos pais que também não sabem conduzir as demandas escolares nas plataformas de ensino.

Manoela Gomes relata como os profissionais da Educação devem fazer para minimizar a desigualdade entre alunos com estrutura para estudarem dentro dessa nova realidade com os que são carentes dos recursos necessários para aula on-line, por isso, passam por dificuldades como adaptação e acesso ao ensino à distância. “Há um planejamento voltado para essa finalidade, visar qual o público essa escola atende e de qual maneira a aprendizagem deva acontecer, caso haja alunos que não tenham acesso aos recursos, a escola muitas vezes disponibiliza material impresso, aulas gravadas dando total apoio a esse aluno, inclusive a esse aluno sem o recurso adequado. Durante a pandemia os profissionais precisaram se reinventar e buscar alternativas positivas para essa modalidade, inclusive houve instituições em que usaram aplicativos para ter um contato direto com as famílias e para realizações de reuniões pedagógicas”, esclarece.

A união e atenção da família é essencial para o aluno vencer esses desafios e consequências geradas pela covid-19. Gomes enfatiza como os pais devem ajudar seus filhos nessa nova fase para que eles se sintam seguros na rotina de estudo com menos tensão. “O apoio das famílias é primordial durante as aulas, é necessário a presença de alguém da família com o intuito de ajudar essa criança na atividade solicitada pelo professor. A criança precisa se sentir acolhida em ambas as partes, deve haver uma organização em relação aos materiais que vão ser utilizados durante a aula, a família deve conscientizar a criança sobre a ida ao banheiro e o horário do lanche. Assim, a criança vai entender que mesmo estando na sua casa, ainda assim ela precisa seguir as regras estabelecidas pelo educador. Deve haver um consenso antes mesmo da aula começar”, finaliza.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

COMO O CIDADÃO PODE SE PROTEGER DAS FAKE NEWS NAS ELEIÇÕES

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já disponibiliza aos cidadãos o Sistema de Alerta de Desinformação …

Facebook
Twitter
LinkedIn