UM DOS PRINCIPAIS ALVOS DE ATAQUES CIBERNÉTICOS, BRASIL FALHA NA CONTRATAÇÃO DE SEGURO CYBER

Na mesma velocidade em que a tecnologia evolui, os crimes cibernéticos também crescem. Só os ataques ransomware em 2019 custaram aos Estados Unidos cerca de US$ 7.5 bilhões. No Brasil, os números também impressionam. De acordo com o AV-Test – The Independent IT Security Institute, em 2020, foram 137,75 milhões de novas amostras de malware. No mesmo ano, 50% dos computadores de escritório e 53% dos computadores domésticos não só foram infectados, como reinfectados por vírus, segundo dados da Webroot Threat Report. Atualmente, o Brasil é um dos países que mais sofre com ataques de segurança digital no mundo e, segundo levantamento da Ponemon, os prejuízos às organizações afetadas são na ordem de R$ 3,96 milhões.

O diretor da Howden Harmonia Corretora de Seguros e responsável pelo Departamento de Fianças e Desenvolvimento de Negócios no Brasil, Rogério Brito Reis, diretor de negócios da Howden Harmonia Corretora de Seguros, com especialização no tema pela Cyber InsuranceAcademy, avalia sobre o lucro indevido obtido através de crimes cibernéticos. “Se pensarmos que o lucro global obtido por crimes cibernéticos é estimado em trilhões de dólares por ano e este lucro é maior do que o faturamento de muitas empresas em conjunto e até mesmo do que o comércio mundial de drogas ilegais, a tendência é aumentar significativamente”, afirma. “Há especialistas que dizem que, provavelmente, haverá uma pandemia causada por um vírus de computador”, completa.

A questão central é a falta de investimento em cyber security, incluindo a contratação de uma apólice de seguro cyber. “Salvo algumas multinacionais, que aderiram ao seguro cyber por meio de seus programas globais, e poucos empresários preocupados com a mitigação de seus riscos, o mercado brasileiro ainda não aderiu à proteção contra ataques cibernéticos como deveria. Apesar das consultas por este produto terem aumentado recentemente, já que mais pessoas estão trabalhando em casa – o que aumenta os riscos, ainda temos um número muito baixo de contratação de apólices”, explica o especialista.

A cada período, surgem novas modalidades, que vão do ransomware (sequestro de dados) e trojans (vírus tipo cavalo de troia) ao phishing (em que os hackers “pescam” dados dos usuários, lançando uma “isca”), smishing (mensagem de texto SMS ou whatsapp) e cryptojacking (mineração de criptomoedas). A tendência é que os riscos e os ataques sigam aumentando e com prejuízos cada vez mais relevantes para as organizações.

Quanto mais informação gerenciada por uma empresa (dados corporativos e pessoais), como por exemplo cartões de crédito, identidade, passaporte, relação de clientes, prontuários médicos entre outros, maior o risco de sofrer cyber attacks, bem como maiores prejuízos serão causados. “Sua empresa depende da tecnologia para gerenciar o seu negócio e informações? Então, ela está vulnerável”, afirma. “Há quem pergunte: ‘será que minha empresa sofrerá um ataque cibernético?”, e eu penso que a pergunta devia mudar para “quando sofrerei um ataque cibernético e se estarei preparado para responder ao mesmo e ter continuidade do negócio?’”, questiona

O que fazer para proteger a empresa desse tipo de ataque?

Vale ressaltar que, para garantir a proteção das informações, há várias ações a serem tomadas pelas empresas,em especial, investir em antivírus e firewalls, fazer backups frequentes, estabelecer políticas de segurança de informação, realizar treinamentos e, não menos importante, contratar uma apólice de seguro Cyber. Esse serviço, oferecido por conceituadas seguradoras e intermediado pelo time da Howden Harmonia, oferece amplas coberturas, envolvendo cobertura dos custos de defesa e danos causados a terceiros decorrentes de uma violação de segurança de dados por ataque cibernético; garantia para os custos com a investigação e mitigação de danos decorrentes de violação de privacidade; garantia do pagamento de extorsão e despesas na investigação administrativa, além de custos de defesa e de restituição de imagem; Lucros Cessantes, entre outros. “A atualização tecnológica é muito dinâmica e evolui a passos largos. Até o final desse texto, os dados apresentados podem não ser mais os mesmos, por isso é fundamental que as empresas estejam protegidas”, finaliza o especialista.

Rogério Brito Reis é Diretor da Howden Harmonia Corretora de Seguros e responsável pelo Departamento de Fianças e Desenvolvimento de Negócios no Brasil. Graduado pela Cyber InsuranceAcademy, premiada academia de Seguro Cyber, tem experiência de mais de 25 anos na Indústria de Seguros, atuando com Gerenciamento de Riscos e diversas linhas de seguros como Garantias, Property&Casualty e Cyber.

A Howden Harmonia nasceu da fusão entre o Grupo Howden, maior grupo de corretores independentes do mundo, e a Harmonia Corretora de Seguros, que há 40 anos no mercado brasileiro foi pioneira na prestação de serviços de consultoria e administração de riscos. Hoje, a Howden Harmonia é uma das cinco maiores corretoras do país e conta com presença em São Paulo, Campinas, Poços de Caldas e Blumenau. Sua atuação é focada nas áreas de Grandes Riscos e Gestão de Benefícios, mantendo parcerias com as principais seguradoras e operadoras do mercado para garantir o melhor atendimento aos seus clientes, nacionais e multinacionais.

 

Foto: Rogério Brito Reis, Diretor da Howden Harmonia Corretora de Seguros.

Crédito: Divulgação.

 

 

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja também

O PAPEL DA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NA MODERNIZAÇÃO DAS SOLUÇÕES FINANCEIRAS

ARTIGO DE VOLMAR MACHADO A transformação digital do mercado financeiro já é uma realidade. Vivemos …

Facebook
Twitter
LinkedIn