SAVEGNAGO SUPERMERCADOS IMPLANTA SELF-CHECKOUT DA CONSINCO

18 de dezembro de 2015.
O Grupo Savegnago,
dono da maior rede de supermercados do interior de São Paulo e um dos maiores
do Brasil, implanta em duas de suas lojas o self-checkout da Consinco,
desenvolvedora de sistemas de gestão corporativa para as maiores redes de
varejo, atacado e distribuição do País. O equipamento permite aos clientes
realizar a compra e o pagamento dos produtos, sem a ajuda de atendentes. Na
prática, o sistema permite aos lojistas diminuir o tempo das filas em até 30%,
agilizando o atendimento e reduzindo seus custos de operação. Os quatro
primeiros equipamentos já estão em operação na loja na Avenida Maurílio Biagi,
em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. A cidade de São Carlos será a segunda
a receber a tecnologia, nesta sexta feira (18/12), por ocasião da inauguração
da 33ª loja da rede no Passeio São Carlos, novo centro de compras da cidade.
Os terminais de
self-checkout, que somam 380 mil unidades em operação em todo o mundo, vêm
ganhando espaço em razão da comodidade oferecida aos consumidores que vão às
compras com mais frequência. O self-checkout da Consinco permite ao cliente realizar,
sozinho, todas as etapas da compra: pesar os produtos, passá-los pelo leitor de
códigos de barra, fechar a compra e efetuar o pagamento. O efeito imediato é a
redução das filas, solução para um dos problemas que mais afastam os
consumidores dos supermercados. Uma pesquisa realizada em novembro pela
consultoria americana McKinsey apontou que clientes começam a se incomodar e
pensam em desistir da compra quando o tempo de espera excede sete minutos.
Fabricado no Brasil
pela Laurenti, equipada com periféricos 100% nacionais e software inteiramente
desenvolvido pela Consinco, a nova tecnologia possui muitas vantagens em
relação aos equipamentos importados. O primeiro benefício é o custo de
fabricação. Em razão da variação cambial, o valor do self-checkout da Consinco,
comercializado a partir de R$ 30 mil, equivale a 20% do valor de um equipamento
importado.
Como se trata de
equipamentos fabricados e disponíveis no País, não há dificuldades com
manutenção ou com substituição de peças. Com essa facilidade, o tempo de
substituição pode variar de algumas horas a, no máximo, três dias, enquanto um
importado pode consumir até três meses de espera.
Além do investimento
e do custo mais acessíveis, os lojistas ainda têm vantagens na gestão do espaço
das lojas e na alocação dos operadores. Com a implantação do self-checkout, um
funcionário supervisiona até seis clientes de uma só vez, auxiliando-os em caso
de dificuldade. Por ser mais compacto, o terminal permite maior aproveitamento
de espaço – três self-checkouts podem ser instalados no espaço de um caixa
tradicional, o que na prática significa atender até três clientes no tempo em
que apenas um seria atendido.
A operação do
equipamento é bastante simples. O consumidor escolhe os produtos na loja e
segue para os caixas de autoatendimento. Para os supermercados que fazem
pesagem dos produtos diretamente no caixa, como é o caso de itens da categoria
FLV (frutas, legumes e verduras), existe o modelo com duas balanças, onde o
cliente coloca os produtos na primeira balança, identificando-os nas imagens
que aparecem no monitor touch-screen. Para os produtos não pesáveis, basta
passá-los pelo leitor de código de barras. Feita a leitura, os produtos são
colocados sobre uma balança, usada como dispositivo antifraude, onde é feita a
comparação do peso dos produtos com aquilo que foi passado pelo leitor. Se
houver divergência no peso, o supervisor é avisado, por meio de um tablet, para
verificar a compra do cliente. Se tudo estiver certo, o cliente paga a compra
com cartão de débito ou de crédito e retira seu cupom fiscal.
As máquinas são ainda
equipadas com câmeras, cujas imagens podem ser acompanhadas pelo supervisor.
“O sistema é intuitivo. A todo momento, os consumidores são orientados por
mensagens de áudio e de vídeo, o que torna a operação muito simples. É mais
fácil de operar do que um terminal de autoatendimento bancário”, diz
Silvio Sousa, diretor-comercial da Consinco.
Segundo o executivo,
o novo self-checkout chega ao mercado para marcar terreno em relação aos
importados e, sobretudo, mostrar aos clientes o direcionamento cada vez maior
da Consinco em levar soluções que apoiam os supermercadistas no aumento de
eficiência e produtividade. “O movimento de desaceleração da economia tem
obrigado os lojistas a se voltarem para a operação em busca de eficiência e
redução de custos. Iniciativas como o self-ckeckout consolidam a liderança da
marca Consinco no varejo, posicionando a empresa como um dos principais players
do Brasil em integração de soluções”, diz Sousa.
Os sistemas de
self-checkout existem desde 1992 nos Estados Unidos e hoje já podem ser
encontrados em diversos estabelecimentos de países da Europa. Desde 2008, sua
utilização cresce a uma taxa de 25% ao ano. Segundo a agência de pesquisas RBR,
até o final de 2015 cerca de 381 mil unidades estarão em operação no mundo,
movimentando aproximadamente US$ 1 trilhão somente nos Estados Unidos.

Benefícios para o lojista
Alta disponibilidade:
os self-checkouts ficam disponíveis aos clientes desde a abertura até o
fechamento da loja;
Baixo custo: um
equipamento custa a partir de R$ 30 mil, cerca de 20% do valor de um importado;
Produção nacional:
manutenção e peças de fácil reposição a custos significativamente menores em
relação aos terminais importados;
Dispositivo
antifraude identificação de itens que não foram passados no leitor pelos
consumidores;
Agilidade no
atendimento: redução do tempo das filas e satisfação do cliente;
Melhor aproveitamento
do espaço: no lugar de 1 caixa convencional cabem 3 caixas de autoatendimento;
Redução de custos com
funcionários: 1 operador pode supervisionar até 6 terminais.
Fundada em 1990, a
Consinco é especializada em software de gestão corporativa (ERP) para empresas
de varejo, atacado e distribuição. Atualmente, os sistemas da empresa operam em
mais de 2.000 estabelecimentos com aproximadamente 40 mil usuários. A Consinco
está presente em 35% dos maiores varejistas e 30% dos maiores atacadistas do
País, segundo os rankings mais recentes da Associação Brasileira de
Supermercados (ABRAS) e da Associação Brasileira de Atacadistas e
Distribuidores (ABAD).
Foto: Self-checkout da Consinco.
Crédito: Divulgação.

Veja também

Laerte Martins

CAMPINAS E REGIÃO REGISTRAM SALDO POSITIVO DE EMPREGOS EM JULHO DE 2017

A Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) divulgou o número de postos de trabalho …

1 comentário

  1. parabéns ao grupo com a nova inovação procurando sempre em atender melhor os seus cliente, infelizmente na minha cidade de são joao da boa vista sp com aproximidade de 100 mil habitante não tem uma loja do grupo ,gostaríamos de ter o grupo junto da cidade se tiver interesse temos uma área dentro de um loteamento com 44 lotes 200 mts cada totalizando 8800m2 essa área tem no total 3500 lotes clace c pronto e liberadado para contruir já estão contruindo,ao redores do loteamento já existe em torno de 5000 mil casas já com moradores e apenas 3 mercadinhos terianmos um imenso prazer ter o grupo em nossa cidade se houver interesse estou no aguardo muito obrigado e parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *